segunda-feira, abril 03, 2017

Resultado de imagem para brexit
Brexit












Os ingleses não trocaram a livre circulação dos produtos pelo das pessoas, com a União Europeia.

Quanto a mim, asneira!... Há, da parte dos ingleses, um egocentrismo que lhes está nos genes, que é filho do isolamento de quem nasceu ilhéu mas que desde sempre se ligou ao mundo pelo comércio marítimo.

A Comunidade Europeia era a oportunidade de transformarem o Canal da Mancha naquilo que ele é, um simples canal, que o nosso Batista Pereira, nascido em 1921, ali para os lados de Alhandra, criado entre o Tejo e as margens, atravessou a nado depois de se besuntado muito bem com gordura por causa do frio das águas.

Agora, era a forma mais simples de se ligarem ao resto da Europa, de abater fronteiras fora da ilha, mas falou mais alto, mais uma vez, um pretenso instinto de defesa como se alguém que lhes queira fazer mal se atrapalhasse com o Brexit.

Foi apenas um marcar de posição que vem do seu passado anglo – saxónico, da pretensa necessidade de vincar a sua posição no mundo.

Conheci-os de perto, em 1963 estávamos separados por uma simples linha da fronteira entre Angola e a Rodésia do Norte.

Eu, fazia parte dos portugueses, eles, dos brancos. Sempre gostaram de terem um estatuto à parte, melhor que o dos outros. Não era esse o caso, ali, naquele sítio, num alto planalto, mas o que é facto é que todo aquele corredor central, de ponta a ponta a ponta do continente africano, era deles.
Para nós, tinham ficado os terríveis mosquitos da costa leste e oeste, que não impediam os pouco exigentes colonos portugueses de lá se fixarem para comercializarem com os povos do interior.

Nós sempre fomos assim para com os representantes do nosso povo por esse mundo fora mais ou menos entregues à sua sorte sujeitando-se a tudo a mando de uns ricalhaços que os exploravam cá de longe, do “bem bom”...

Como dizia um, meu vizinho, comerciante por conta de outrem, lá nas terras do fim do mundo, onde eu estava na qualidade de militar, numa carta para a mulher no longínquo Trás-os-Montes:

-“Mulher:

Estou nas raias da “Islaterra”, os “leones,” entram-me pela porta da casa dentro...”.

Tudo esta gente suportava sem um queixume ou reclamação, humildes e analfabetos. Ao fim e ao cabo, que diferença haveria entre a aldeia em que nasceram, lá no Norte de Portugal, atrás do sol – posto, e aquele outro local para onde o destino os tinha enviado?

 – Para além dos “leones”, é bom de ver, nenhum outro...

Sobreviventes, é o que me apetece chamar aos meus compatriotas espalhados por esse mundo fora, muito diferentes dos emigrantes ingleses que logo de manhã içavam à frente das casas, isoladas, a bandeira de Inglaterra, os tais, a quem os negros chamavam de “brancos” para os distinguir de nós outros que éramos apenas os portugueses...

Nós fomos, pelo meio daqueles matos, os verdadeiros colonizadores, que trocávamos com as populações autóctones, barras de sabão por peles de animais, e a mulher com quem dormíamos à noite era uma representante local numa cubata melhorada atrás da loja do comercio.

Por isso, quando a UPA e o MPLA mataram em Angola quem mataram à espera que os outros fugissem, como os belgas, os portugueses limitaram – se a passar a viver com a espingarda ao ombro.

Para onde vamos logo ganhamos raízes, seja para onde for... a nossa terra é aquela onde vivemos!


0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

Site Meter