terça-feira, agosto 22, 2017

A Tampa da Sanita





Os meus amigos do Memórias Futuras sabem que detesto o Trump. Fiquei mesmo doente quando, há uns 7 meses atrás , ele ganhou as eleições.

Não gosto destas antipatias que desenvolvo relativamente a certas personalidades e que nos podem tornar vítimas de nós próprios. Sempre disse que quem vê caras não vê corações e os nossos juízos sobre os outros devem ser justos e imparciais.

Mas ontem, apanhando num Cal da TV, uma entrevista que já estava no ar, de um observador da sociedade americana, sobre Trump, todos os meus pensamentos negativos sobre aquele não só se confirmaram como pioraram depois daquilo que ouvi.

Fiquei completamente convencido de aquele homem não passa de um ditador reprimido pela cultura de liberdade e de direitos humanos da sociedade americana, o que o deve deprimir interiormente.

- Rua! - Está despedido!

Este é o seu estilo e prática de vida no relacionamento com os outros .

 - Quero, Posso e Mando!... - Um ditador da mais pura cepa que não deixará mais o poder senão o puserem de lá para fora, que não será por poderes democráticos, que ele facilmente contornará com o dinheiro e poder que tem.

Chegado de duas semanas de férias na Flórida, num resort que lá tem, uma autentica espelunca, cuja tampa da sanita nem sequer é dourada, logo ameaçou a Coreia do Norte cujo líder, Kim Jong - un, que também não é certo da cabeça, de "fogo e fúria", a propósito de uns foguetões que este estava a enviar para o mar do Japão.

Sentindo as costas quentes, condenou, mas não diretamente, manifestações de rua da estrema - direita, racistas e xenófobas do Ku Klux Klan mas associando nessa condenação, as manifestações políticas de extrema esquerda que, ao contrário das outras, não integram grupos organizados.

Numa outra escala, completamente diferente, Trump, em Nova -York, faz-me lembrar os "patos bravos" da construção civil dos anos sessenta, que fizeram fortuna em Lisboa na construção civil, só que estes começaram do nada e Trump teve a ajuda dos milhões do papá.


domingo, agosto 20, 2017

Joãozinho














Joãozinho e Luisinho conversam na hora do recreio.

- Meu pai é tão alto - diz Luisinho, contando vantagem. - Mas tão alto que um dia ele levantou os braços e encostou a mão nos nuvens.

- Quando ele encostou não sentiu algo macio? - Perguntou Joãozinho sem querer ficar por baixo.

- Exactamente.

- Pois era o saco com os tomates do meu pai...


                                   



Olhe bem. É uma arara ou uma mulher?.



Uma Travessa da minha velhinha cidade de Santarém



Éfaso


Por duas vezes visitei Éfaso, por mar e por terra. Logo à entrada, do lado direito desta Avenida que desce, estavam situados os banhos públicos e moradias de ambos os lados.A avenida por onde os turistas descem estava ladeada à esquerda e à direita por moradias. Ao fundo, ainda de pé, a fachada da Biblioteca que tinha uma passagem secreta diretamente para a "casa das meninas" que ficava à direita, porque cultura não acaba nos livros, como os gregos muito bem sabiam há mais de 2500 anos... Começa no corpo humano, no sexo e no amor e depois passa ao intelecto onde eles foram mesmo fortes, os melhores... Sem os contributos da cultura grega não  passávamos de uns trogloditas.




9.03 Curetes Street in Ephesus.JPG 

               O Violador


                 

SALVATORE ADAMO - UNE MÈCHE DE CHEVEUX

Assim, com esta carinha de rapazinho, ele foi o cantor, ele e as suas canções, que fizeram as delícias da minha juventude minhas, e das das sopeiras todas lá do bairro... românticas como eu, que acabariam uns anos mais tarde vítimas da extinção da sua espécie.... mas estivemos muito acompanhados... Ele vendeu mais de 100 milhões de discos.



sábado, agosto 19, 2017

                       
Divórcio Judeu












Na antevéspera do Ano Novo Judaico, Boris Sylberstein, patriarca judeu e a mulher, Sara, moradores num Kibutz perto de Telavive, visitam um dos seus filhos na capital de Israel: 



- Jacobzinho, odeio ter que te estragar o dia, mas o Pai precisa de te dizer que a Mãe e eu nos vamos separar, depois destes 45 anos!



- O Pai enlouqueceu! O que é que está a dizer? - grita Jacob. 



- Já não conseguimos sequer olhar um para o outro. Vamos separar-nos e acabou-se! Liga à tua irmã Raquel a contar. 



Apavorado, o rapaz liga para a irmã, que vive em Viena e conta-lhe a terrível notícia. Raquel fica em estado de choque, ao telefone: 



- Os nossos pais não podem separar-se de maneira nenhuma! Chama já o Pai ao telefone! 



O ancião atende e a filha balbucia na maior emoção: 

- Não façam nada até nós chegarmos aí amanhã, ouviu?



Vou telefonar também ao Moisés para São Paulo, ao Salomão para Buenos Aires e à Ester para Nova Iorque e amanhã à noite estaremos aí todos. Ouviu bem Pai?



Desliga, sem esperar pela resposta do Pai. O velho pousa o auscultador no descanso, vira-se para a mulher e, sem que Jacob ouça, diz-lhe em voz baixa:


- Pronto, Sara, vêm todos para a Ano Novo. Só que, desta vez, não temos de lhes pagar as passagens...!

         
 Não, não está nada de errado Eles são amigos e, para variar, resolveram mudar de posição...

O Padre e a Pecadora




- Padre, perdoa-me porque pequei (voz feminina)

- Diga-me filha - quais são os teus pecados?

- Padre, o demónio da tentação se apoderou de mim, pobre pecadora.

- Como é isso filha?

- É que quando falo com um homem, tenho sensações no corpo que não saberia descrever...

- Filha, apesar de padre, eu também sou um homem...

- Sim, padre, por isso vim confessar-me contigo.

- Bem filha, como são essas sensações?

- Não sei bem como explicá-las - neste momento meu corpo se recusa a ficar de joelhos e necessito ficar mais a vontade.

- Sério??

- Sim, desejo relaxar - o melhor seria deitar-me...

- Filha, deitada como?

- De costas para o piso, até que passe a tensão...

- E que mais?

- É como um sofrimento que não encontro palavras.

- Continue minha filha.

- Talvez um pouco de calor me alivie...

- Calor?

- Calor padre, calor humano, que leve alívio ao meu padecer...

- E com que frequência é essa tentação?

- Permanente padre. Por exemplo, neste momento imagino que suas mãos massajando a minha pele me dariam muito alívio...

- Filha?!

- Sim padre, me perdoa, mas sinto necessidade de que alguém forte me estreite em seus braços e me dê o alívio de que necessito...

- Por exemplo, eu?

- Sim padre, você é a categoria de homem que imagino poder me aliviar.

- Perdoa-me minha filha, mas preciso saber tua idade...

- Setenta e quatro, padre.

- Minha Filha, vai em paz ......... o teu problema é reumatismo...

Resultado de imagem para amigo e coisa para agradarAmigo é coisa pra se guardar...









Um filho pergunta à mãe:

- Mãe, posso ir ao hospital ver meu amigo? Ele está doente!

- Claro, mas o que ele tem?

O filho, com a cabeça baixa, diz:

- Tumor no cérebro.

A mãe, furiosa, diz:

-E você quer ir lá para quê? Vê-lo morrer?

O filho lhe volta as costas e vai...

Horas depois ele volta vermelho de tanto chorar, dizendo:

- Ai mãe, foi tão horrível, ele morreu na minha frente!

A mãe, com raiva:

- E agora?! Tá feliz?! Valeu a pena ter visto essa cena?!

Uma última lágrima cai de seus olhos acompanhada de um sorriso e ele diz:

- Muito, pois cheguei a tempo de vê-lo sorrir e dizer:



- "EU TINHA CERTEZA QUE TU VINHAS"

sexta-feira, agosto 18, 2017

Resultado de imagem para radicalizaçao islâmica
Perderam o controle do destino da sua geração
Radicalização Islâmica










É este o fenómeno que explica o assassínio de pessoas inocentes, quer os criminosos sejam “lobos solitários” ou grupos organizados.

Sou ateu e considero que a crença é um vírus que se instala no nosso cérebro, quase sempre inofensivo para os outros, nunca para os próprios porque lhes condiciona toda a vida.

Mas, como tudo ao que o homem respeita, nada é simples, linear, ou pode ser medido pela mesma bitola.

Jesus da Nazaré, terá sido, no seu tempo, mais um profeta numa época difícil em que o povo vivia sob a exploração e humilhação do exército romano, que transmitia uma esperança acrescida de vida.

Teria ficado na ignorância da história, como tantos outros, se Paulo não tivesse divulgado a sua mensagem sob a forma de uma religião universal.

Na base da sua mensagem, o amor, a igualdade e a liberdade, ideias força da religião cristã, transmitida pela palavra persuasiva.

Muito mais tarde, missionários facciosos, utilizaram outros processos, porque o vírus da religião têm um enorme grau de perigosidade mas, não foi essa a sua génese.

Maomé, não era profeta, mas sim, comerciante, líder de tribos desunidas que ele uniu pela força até que um dia, inspirado por Abraão e Jesus, também subiu à montanha onde, igualmente, Deus lhe terá falado.

A partir daí passou a ser profeta e, utilizando processos já seus conhecidos a quando da união das tribos, impôs a religião pela lei da espada... Quem não se convertia era morto.

O Papa resignado, Bento XVI, numa palestra que deu numa universidade, ainda antes de ser Papa, chamou a atenção para a génese violenta da religião islamita. Depois pediria desculpa.

Estas acções violentas que matam, cruel e indistintamente, centenas de pessoas, são da responsabilidade de um pequeno grupo radical de seguidores de Maomé, da facção sunita, os jihadistas, que fizeram do Corão uma interpretação extrema que leva aos infiéis a morte e o extermínio, numa última fase, a toda a humanidade.

O resultado é este que que ainda hoje se viu em Barcelona...

Paul Anka



Com catorze anos, gravou "I Confess", encorajado pelos seus pais. Em 1957, Anka foi para Nova Iorque onde fez um teste para a ABC, cantando uma canção de amor que escrevera para uma babá, Diana Ayoub. A canção, "Diana", trouxe um estrelato instantâneo a Paul. "Diana" é uma das mais vendidas da época na história da música (no Brasil também fez sucesso a versão em português cantada por Carlos Gonzaga). Ele seguiu com quatro músicas que chegaram às top 20 de 1958, fazendo-o o maior ídolo dos adolescentes da época. Ele fêz turnês no Reino Unido e depois, com Buddy Holly, na Austrália.


You are my´Destany

Resultado de imagem para igreja católica - força retrógradaIGREJA  CATÓLICA


- FORÇA RETRÓGADA 

DA 

HUMANIDADE... 










Depois de tanto derramamento de sangue em nome de Deus e por rivalidades entre os vários nomes de Deus, a consciência da humanidade   foi orientada no sentido da tolerância, do respeito pela liberdade religiosa e a liberdade de praticar ou não uma religião, sendo que esta liberdade foi uma importante conquista da modernidade.

O estudante de religiões do mundo, o teólogo católico Hans Küng, lembra que na grande obra do Iluminismo "Nathan, o Sábio" (1779), do grande poeta alemão Gotthold Ephraim Lessing, mostrou, pela primeira vez, que a tolerância entre as diferentes confissões cristãs e entre as diferentes religiões, era indispensável para a paz entre as nações. No entanto, naqueles anos, o Papa Pio VI rejeitou a liberdade de religião, liberdade de consciência e liberdade de imprensa e o conteúdo do que chamou abominável filosofia dos direitos humanos.

De facto, a Igreja Católica foi a principal opositora aos princípios da igualdade, liberdade e fraternidade, auge da Revolução Francesa. Segundo Küng, no século XIX, marcado pela ideologia da Revolução Francesa, o Estado Papal foi o mais atrasado da Europa. 

O Papa rejeitou os Caminhos-de-Ferro, a iluminação a gás, as pontes suspensas… e também as vacinas, que foram proibidas no Vaticano em 1815, com base nestas palavras do Papa Leão XII:

- “Qualquer um que use a vacina não é mais um filho de Deus... A varíola é um julgamento de Deus e a vacina é um desafio ao céu.”

Com estas ideias e orientada desta maneira por estes Papas, restaram aos católicos doses superlativas de fé para não desertarem do rebanho que não pôde, no entanto, ao nível das suas consciências, furtar-se aos às perniciosas consequências de tais formas de pensar que têm sido herdadas de geração em geração dando lugar a atitudes, comportamentos e escândalos (veja-se a pedofilia) que envergonham até hoje toda uma população religiosa que se tinha como exemplo...

quinta-feira, agosto 17, 2017


Memória Coletiva


Resultado de imagem para memoria colectiva










A Memória Colectiva esboça-se pouco tempo após o aparecimento do Homo Sapiens, sob uma forma que, provavelmente, começou por ser passageira: arranjos geométricos de calhaus e de paus colocados no solo ou sinais efémeros traçados na areia.

Mais tarde, adquire um carácter de maior perenidade quando é elaborada uma proto-escrita constituída por entalhes feitos num suporte de madeira ou de osso, sequência de nós formados numa tira de couro ou de uma fibra vegetal que funcionavam mais como elementos auxiliares de memória.

Mas na mesma época, aparecem já desenhos figurativos mais eficazes na medida em que aquilo que exprimem pode dispensar comentários sendo verdadeiros veículos de informação capazes de transmitir conceitos.

Estão neste caso, para além das estatuetas e dos desenhos gravados em osso ou marfim, os célebres frescos das abóbadas e das paredes das grutas que representam mensagens do Homem de Cro-Magnon muito embora existam riscos de erros sobre a finalidade real da imagem transmitida através do tempo.
Há cerca de 6.000 produziu-se um tremendo salto qualitativo quanto ao armazenamento de informações quando passamos da proto-escrita sintética (um único desenho evocava uma frase inteira ou um grupo de frases) para uma escrita analítica, a verdadeira. Foi na Suméria, na Mesopotâmia Meridional, num local de grandes templos, nas cidades de Uruk e Lagash que foram encontrados placas de argila com pictogramas gravado que permitem seguir a evolução da escrita dos Sumérios. O pictograma não tem em vista a representação de uma frase completa mas apenas  de um conceito específico que corresponde a uma palavra. 
As gravuras mais antigas são desenhos simplificados em que cada um deles remete para um objecto, animal ou uma parte do corpo humano. 

Esta escrita utilizava mais de 1.500 pictogramas o que seria difícil de memorizar e, por esta razão, desapareceu há mais de 5.000 anos tendo sido substituída por sinais abstractos desprovidos de qualquer semelhança seja com o que for. É a escrita Cuneiforme composta por 600 sinais diferentes e nasceu dos escribas sumérios que desenhavam os pictogramas primitivos recorrendo a canas afiadas em bico, “calamos” com que desenhavam a argila mole que era posta a secar ao sol ou em fornos. 

Mais tarde, os escribas por comodidade habituaram-se a cortar os calamos em bisel e em vez de desenharem limitavam-se a cravar as extremidades biseladas na argila, formando deste modo marcas angulosas cuja disposição codificada era parecida com os antigos pictogramas e como as marcas faziam lembrar a forma dos pregos que em latim se denominam “cuneus” foi chamada a esta escrita de “cuneiforme”. 
O sinal esquemático deixa muito rapidamente de representar uma palavra completa mas apenas o símbolo de uma só parte da palavra ou seja um “fonograma” que representa um fonema (ou uma sílaba). As placas sumérias serviam então, fundamentalmente, para inventariar cereais, cabeças de gado, escravos e permitia ter em dia a contabilidade das poderosas comunidades religiosas e dar instruções precisas aos responsaveis administrativos e militares.




A escrita cuneiforme é uma ferramenta de gestão e de comunicação de valor inestimável e rapidamente se espalha por todo o Médio Oriente e é neste tipo de escrita que são redigidos o Código de Hamurabi, rei da Babilónia e a “Epopeia de Gilgamesh” que foi encontrada em Ninive, na biblioteca do rei assírio Assurbanípal.


O Egipto faraónico inventa há cerca de 5.000 anos um sistema que lhe é próprio, a escrita hieroglífica, formada por conjuntos particulares de pictogramas, os hieróglifos, (de hieros, que significa sagrados, e gluphein que quer dizer gravar).



A escrita pictográfica egípcia primitiva utilizava cerca de 700 sinais diferentes, número que aumentará posteriormente ao mesmo tempo em que se tornava fonética ou silábica e os mesmos hieróglifos tanto eram usados como pictogramas como fonogramas, o que tornava também obrigatório o uso de sinais determinantes.



Um pouco antes, a China dota-se de uma escrita muito particular.


Os pictogramas da língua chinesa são desenhados ou, melhor, são caligrafados a pincel em suportes muito diferentes, mas essencialmente, em rolos de seda.

Muito estilizados, eles sugerem mais do que descrevem os objectos ou as palavras e tornam-se “ideogramas”.

Este sistema, que será verdadeiramente codificado há 3.500 anos não passa à fase fonética e permanece na fase ideográfica (um conceito -uma palavra – um sinal) pelo que tem de utilizar vários milhares de ideogramas diferentes, com um conjunto de 200 sinais determinantes que permitem tornar o sentido daqueles mais claros.

Os letrados clássicos da China dos Tang (618 – 907) tinham de saber 431.286 sinais diferentes!

Temos, portanto, que a escrita começou por ser global e sintética, tornando-se de seguida pictográfica ou ideográfica, depois fonética ou silábica e finalmente alfabética.

O alfabeto é composto por um conjunto de sinais escritos convencionais em que cada um corresponde a um único som falado.

Estes sinais de número limitado são susceptíveis de serem dispostos segundo combinações permutáveis de modo a formarem as várias sílabas e as diferentes palavras.

Esta escrita alfabética parece ter sido inventada há cerca de 3.400 anos em Ugarit, na Síria, um porto comercial à data muito importante mas dois séculos mais tarde a cidade foi destruída por um exército inimigo, e foram os Fenícios, povo de comerciantes e marinheiros, que dois séculos depois divulgaram por todo o Mediterrâneo um outro alfabeto que compreendia 22 caracteres, apenas consoantes. Nas línguas semíticas, são as consoantes que dão o sentido enquanto que as vogais são pouco utilizadas e só têm como papel clarificar a função gramatical da palavra.

Este alfabeto foi aperfeiçoado pelos gregos que o completaram introduzindo 5 vogais suplementares há pouco menos de 3.000 anos.

E assim, em relativamente pouco tempo, a humanidade dotou-se de uma memória colectiva escrita e poderá agora perguntar-se qual a soma de informações que ela representa.

Os arquivos centrais da cidade-estado de Ebla, com mais de 3.000 anos, actualmente Tell Mardikh no Djeziré, na Síria, armazenam placas de argila que têm gravado pictogramas cuneiformes e representam uma capacidade de armazenagem de 10 elevado a 8 Bits.

Bits é a simplificação para dígito binário e é a mais pequena unidade de medida de transmissão de dados usada na Computação e na teoria da Informação embora hoje já sejam feitas pesquisas em Computação Quântica, os Cubits.

Um Bit tem um valor único, 0 ou 1, ou então, verdadeiro ou falso e é armazenado como uma carga eléctrica dentro de um dispositivo denominado Memória.

Hoje em dia, para além da electricidade utilizam-se também as fibras ópticas, ondas electromagnéticas e ainda por via da polarização magnética nos chamados Discos Rígidos.

Depois dos arquivos centrais de Ebla e mais perto de nós, 2.300 anos, temos os 400.000 rolos de papiro que eram a glória da grande biblioteca de Alexandria que constituíam uma memória próxima dos 10 elevados a 10 bits.

O recheio desta extraordinária biblioteca foi mandada queimar em 640 pelo califa Omar que teria explicado o seu gesto do seguinte modo:

- “Quanto aos livros, ou eles dizem a mesma coisa que o Alcorão e são inúteis ou dizem outra coisa e são falsos ou perigosos…”

Finalmente com a Imprensa, a Memória Colectiva volta a progredir muito consideravelmente e no final do século XX o depósito de informações contido em livros, numa Grande Biblioteca imaginária, excluindo jornais e revistas, contando 200 a 300 páginas por livro e 2.000 caracteres por página, chega-se a 10 elevado 14 bits.

É evidente que toda esta prodigiosa capacidade de armazenamento de memória colectiva tem um interesse relativo na medida em que 6.000 anos depois da sua invenção, um ser humano adulto em cada dois ignora a escrita e mesmo aqueles que a dominam têm uma capacidade muito limitada para explorar na totalidade a memória escrita da humanidade quando, só para se passar um jornal de ponta a ponta, se levam quatro horas e meia.

A rádio e a televisão dão uma ajuda tornando acessíveis a um maior número de pessoas, a troco de um menor esforço, os dados da memória colectiva mas, mesmo neste caso, é preciso dedicar-lhes muito tempo com o inconveniente de que a escolha dessa memória escapa ao livre arbítrio do “consumidor”.

Parecia, portanto, que se tinha atingido outro limite tanto mais difícil de ultrapassar quanto era certo resultar de uma incompatibilidade funcional entre as memórias individuais, por um lado, e a memória colectiva, por outro.

Foi então que apareceu a “telemática” que aperfeiçoou novos suportes: memórias ópticas, magnéticas ou electrónicas.

Tal como os neurónios do sistema nervoso central, os suportes modernos da memória colectiva permitem armazenar e tratar as informações colocando, de imediato, ao alcance da selecção individual a totalidade do saber da colectividade.

Em termos de armazenamento chegou-se a um ponto tal em que é possível, devido a um efeito físico especial, (plasma de electrões) armazenar um bilião de informações (10 elevado a 12 bits) num volume equivalente a …um pequeno grão de sal!

O segundo problema é o da exploração dos dados e aqui intervém o computador que restitui ao homem a informação desejada nas melhores condições de rapidez e eficácia.

McLuhan, filósofo e educador canadense, já falecido, que trouxe para o nosso dialecto a conhecida expressão “aldeia global” profetizava que com os novos meios de comunicação “o conjunto da humanidade está destinado a formar uma única e imensa audiência, a reconstituir a noção de sociedade tribal e a viver numa aldeia planetária”.

Claude Lévy-Strauss também comunga na ideia de que no século XXI só haverá uma única cultura, uma única humanidade mas chama a atenção para as clivagens verticais, entre os que têm tudo e os que têm nada e, sobretudo, para as clivagens horizontais entre gerações com valores desfasados…

Então, qual é a continuação lógica para a evolução do Homo Sapiens Sapiens?

- Uma nova espécie nascida de um fenómeno catastrófico imprevisível?

- Uma tribo de “Homo communians” funcionando à maneira de um organismo pluricelular?

- Ou um “Homo” muito simplesmente “Sapiens” que resolveria ser um pouco menos sapiente…mas um pouco mais sábio?

O Neolítico surgiu como a idade de ouro para o género humano que descobre o seu poder sobre a natureza, vive melhor e durante mais tempo conhecendo a humanidade um espetacular crescimento demográfico mas as realizações que caracterizam este período de desenvolvimento provocam, igualmente, efeitos perversos.

O progresso produz o caos e a desorganização, aquilo a que se chama de entropia, sempre em busca de novos desequilíbrios e o excedente de energia que desta maneira se gera paga-se à custa de desorganizações sucessivas, do meio natural por um lado, da sociedade dos homens por outro.

A aquisição de novos bens e o desenvolvimento da vida urbana contribuem para desfazer a profunda solidariedade que reinava dentro da tribo.

O género humano, que sentia intuitivamente a sua homogeneidade genética, descobre as suas diferenças e inventa hierarquias.

A escrita, que permite constituir e conservar uma memória colectiva representa, sem dúvida, um imenso progresso mas esta maravilhosa ferramenta de comunicação não é neutra e contribui para modificar mais uma vez o comportamento dos homens.
Dando origem à palavra, o alfabeto lançou o género humano num universo analítico e abstracto. Influenciado por esta nova maneira de ver o mundo e de comunicar com os seus semelhantes o Homo Sapiens Sapiens começa a ter de si uma percepção enquanto indivíduo. A tribo, fora da qual a vida do homem do paleolítico não fazia sentido explode, desintegra-se.

A dialéctica do “Dono e do Escravo” nasceu da civilização agrária e da escravatura.

Será possível imaginar que no novo contexto da civilização mediática moderna, se possa desenvolver uma civilização planetária em que o “Homo Communicans” reencontre o sentido da tribo?


P.S.

Este texto foi produzido com apoio na obra “A Origem do Homem”, de Claude Louis Gallien, Prof. Catedrático na Universidade René Descartes onde dirige o Laboratório de Biologia do Desenvolvimento e cuja leitura recomendo vivamente.

Pela nossa parte continuaremos a dar pequenos contributos na divulgação deste tema.

Site Meter