sábado, fevereiro 15, 2014

IMAGEM

A lua está prestes a deitar-se e vai para a cama de carrinho... de mão.



Cats - Memory

É difícil deixar de ouvir esta extraordinária canção. A representação confere-lhe o resto do dramatismo.

Curiosidade a quanto obrigas...





Não se sabe como, mas um turco conseguiu pegar dinheiro emprestado de um Judeu. Acontece que o Turco nunca pagava nenhuma de suas dívidas e o judeu nunca deixava de receber o que lhe deviam.

O tempo passa, o turco enrolando e o Judeu atrás dele. Até que um dia eles se cruzaram no café de um alentejano e começaram uma discussão.

O turco encurralado não encontrou outra saída, pegou um revólver encostou na própria cabeça e disse:
 - Eu posso ir para o inferno, mas não pago esta dívida! E puxou o gatilho, caindo morto no chão.

O judeu não quis deixar por menos, pegou o revólver do chão, encostou a sua cabeça e disse:

- Eu vou receber esta dívida, nem que seja no inferno! E puxou o gatilho, caindo morto no chão.

O alentejano, que observava tudo, pegou o revólver do chão, encostou na cabeça e disse:

 - Pois eu não perco esta briga por nada!


Touro Reprodutor
 

 
Isso foi sério, aconteceu em Brogodó (Brasília)



Um caboclo tinha um touro que era o melhor da região. 

O touro era seu único patrimônio

Os fazendeiros descobriram que o tal touro era o melhor animal reprodutor e começaram a alugar o bicho para cobrir suas vacas. 

Era só colocar uma vaca perto dele e o touro não perdoava!!! 
O caboclo ganhando muuuuiiiiito dinheiro!!! 

Os fazendeiros se reuniram e decidiram comprar o touro. 

Chegaram na casa do caboclo e falaram: 

-Põe preço no seu bicho que vamos comprá-lo. 
O caboclo, aproveitando da situação, pediu um preço absurdo. 

Os fazendeiros não aceitaram a proposta e foram se queixar com o prefeito da cidade. 

Este, sensibilizado com o problema, comprou o animal com o dinheiro da Prefeitura, pagando uma fortuna, e o registrou como patrimônio da cidade

Fizeram uma festa imensa na cidade... 

Os fazendeiros trouxeram suas vacas para o touro cobrir, tudo de graça!!! 

Veio a primeira vaca, o touro deu uma cheirada e nada... 

- Deve ser culpa da vaca - disse um fazendeiro. 
Ela é muito magra! 

Trouxeram outra vaca, uma holandesa, a mais bonita da região. 
O touro cheirou a vaca e... nada!!! 

O Prefeito, desesperado, chamou o caboclo e lhe perguntou o que estava acontecendo. 

- Não sei... - disse o caboclo - Ele nunca fez isso antes! - 

Deixa eu vou conversar com o touro. 
E o caboclo, aproximando-se do bicho, perguntou: 

- O que há com você? Não tá mais a fim de trabalhar? 

E o touro, dando uma espreguiçada , respondeu: 


- Não enche... 

Agora sou funcionário público!!

O jovem António Salazar.
Velhas

Cuscuvelhices....










Dizer que o pai de António Salazar era feitor de uma grande propriedade lá para os lados de Santa Comba Dão não será uma grande novidade, muita gente da minha geração sabia disso. Era até uma forma utilizada pelos seus inimigos para o rebaixar aos olhos da opinião pública de então.

Só que a história não acaba aqui. A propriedade era de um senhor de idade de seu nome Perestrelo que teve dois filhos, um rapaz e uma rapariga.

A menina ainda foi namorada de Salazar e o rapaz, mais conhecido pelo Perestrello Vasconcellos, cursou engenharia e quando Salazar chegou ao poder colocou-o como administrador da Casa da Moeda e posteriormente, em 1939, assumiu a gestão do Arsenal do Alfeite.

Este senhor, Perestrelo Vasconcelos, morreu em 1962 e deixou seis ou sete filhos, dos quais um deles foi engenheiro naval, na Lisnave, e outro, sentiu vocação para sacerdote e veio a ser capelão da Marinha.

 Em 1959, o capelão Perestrello Vasconcellos fez parte da célebre conspiração "Caso da Sé", na qual participaram vários opositores ao regime, como Manuel Serra e na iminência do capelão também ser preso, o presidente do governo, Oliveira Salazar, chamou a S. Bento o pai do capelão Perestrello Vasconcellos e aconselhou-o a mandar o filho para o Brasil, para que não tivesse o desgosto de ver um filho na prisão.

Tudo em consideração ao velhote Perestrello de quem o pai de Salazar tinha sido feitor.


E foi assim que o padre Perestrello Vasconcellos debandou para o Brasil. Nos anos 70, com a primavera marcelista do primeiro-ministro Marcelo Caetano, o padre Perestrello Vasconcellos regressou a Portugal e foi exercer o sacerdócio na paróquia de Loures.

Num belo dia, o admirado e venerado padre Perestrello Vasconcellos, em plena missa dominical, deixou os paroquianos atónitos e lavados em lágrimas. Anunciou que iria deixar o sacerdócio porque se apaixonara por uma senhora da família Lorena.

O padre passou à sua condição de cidadão e do matrimónio com essa senhora nasceu Marcos Perestrello Vasconcellos, o ex-vereador socialista da Câmara de Oeiras e secretário de Estado da Defesa no governo do Partido Socialista. 

Mas a história ainda não acaba aqui.

Na realidade, Salazar não era misógnio, pelo contrário, era mulherengo e em jovem namorara, como já se disse, a filha do dono da propriedade em que o pai era feitor, a menina Perestrelo que lhe retribuía com paixão o seu amor.

A mãe, no entanto não esteve pelos ajustes dizendo a Salazar, jovem Professor Universitário de Finanças Públicas, de viva voz, que tinha muita consideração pela inteligência dele, mas, sinceramente, namorar com a filha dela, uma Perestrello, era demais. Ele não se podia esquecer, que era e seria sempre o filho do caseiro e terminou o namoro.

Anos passados, já ele era 1º Ministro, a senhora Perestrello telefonou-lhe para lhe pedir um favor. O telefonista passou a chamada e ela anunciou-se : "Daqui fala Perestrello" e Salazar respondeu "Daqui fala o filho da caseiro".
Isto só prova que a vingança  não se serve fria, como muita gente pensa, mas gelada.

Os velhos aposentados esfregam as mãos, os olhos brilham...
OS VELHOS

MARINHEIROS


Episódio Nº 6










Onde se trata de aposentados e retirados dos negócios, com mulheres na praia e na cama, donzelas em fuga, ruína e suicídio, e um cachimbo de espuma-do-mar.

Um clima propiciatório, feito de tragédia e de mistério, antecedera o memorável dia do desembarque do comandante, como se o destino estivesse preparando a população para os acontecimentos a vir. Só de raro em raro um fato inesperado rompe a monotonia dessa vida suburbana.
Isso de Março a Novembro, porque nos três meses de férias, Dezembro, Janeiro, Fevereiro, todos esses arrabaldes da Leste Brasileiro, dos quais Periperi é o maior, o mais populoso e o mais belo, enchem-se de veraneantes.

Muitas das melhores residências ficam fechadas durante quase todo o ano, pertencem a famílias da cidade, abrem-se apenas no verão.
Aí então anima-se Periperi, invadido de repente por uma juventude álacre: rapazes a jogar futebol na praia, moças de Maio estendidas ao sol na areia, barcos a cruzar as águas, passeios, piqueniques, festinhas, namoros sob as árvores da praça ou na sombra dos rochedos.

Das recordações desses três meses, dos comentários sobre histórias e fatos do último veraneio, vive a população estável os nove meses seguintes. Rememorando namoros, festas, brigas entre jovens atletas apaixonados e ciumentos, a ameaça de afogamento de uma criança, bailes de aniversário, bebedeiras a perturbar o silêncio da noite.

A população estável (se exceptuarmos pescadores e uns poucos comerciantes - donos da única padaria, de uns dois bares, de outros tantos armazéns de secos e molhados, da farmácia - alguns funcionários da Leste Brasileiro nas casas ao lado da Estação) é formada de aposentados e retirados dos negócios com suas respectivas famílias, quase sempre apenas a esposa e, por vezes, uma irmã solteirona.

Alguns desses idosos personagens afirmam preferir Periperi no seu pacato quotidiano de antes e depois do verão, mas, em verdade, todos eles terminam por envolver-se, de uma ou de outra maneira, na turbulenta agitação do veraneio.

Quando não seja, para espiar, com olhos compridos e cobiçosos, os corpos femininos seminus na praia - cada pedaço de mulher! - ou para comentar acidamente os casais de namorados nos cantos escuros.

Seu Adriano Meira, retirado do negócio de ferragens, todas as noites, durante o verão, sai depois das nove horas, com uma lanterna eléctrica, para, como ele diz, “passar em revista os namorados, ver se estão trabalhando bem”.

Estabeleceu um roteiro completo dos becos, rochedos e pedras, fundos de quintal, portões e esquinas, onde os namorados buscam a solidão propícia ao amor. No dia seguinte, fornece seu Adriano um relatório circunstanciado e picaresco. Os velhos aposentados esfregam as mãos, os olhos brilham.

Tudo isso serve não apenas durante os meses de verão. Cada facto é recordado depois, longamente analisado e decomposto, quando os veraneantes partiram e a paz do mundo desceu sobre Periperi, quando o tempo é longo de passar, e a lanterna de seu Adriano ilumina apenas, nos cantos escuros, as carraspanas de Caco Podre ou encontros de cozinheiras e pescadores.

Existem os verões excepcionais. Não pela beleza dos dias, pelo esplendor maior dos verdes e azuis nas árvores e nas águas, pelas noites de brisa mais fresca e estrelas mais numerosas.

Tais coisas importam pouco aos aposentados e retirados dos negócios. Excepcionais são aqueles verões nos quais se regista um bom escândalo, um verdadeiro e ruidoso escândalo, prato capaz de alimentar sozinho as conversas dos meses mortos. Mas sucede tão de longe em longe. Uma tristeza!

Pois bem: o veraneio precedente à chegada do comandante foi de prodigalidade nunca vista. Dois escândalos, um logo nos começos de Janeiro, outro após o carnaval, com trágico desfecho, deram-lhe um lugar à parte no calendário suburbano.

Não se pode estabelecer, de boa-fé, ligação propriamente dita entre o caso do Tenente-Coronel Ananias Miranda, da Polícia Militar, e o do Comandante Vasco Moscoso de Aragão. Mas há uma tendência geral a ligar os dois factos, como se as desditas de Ananias fossem uma espécie de prólogo às aventuras de Vasco.

Não merecesse a voz do povo o respeito dos historiadores e nem valeria a pena relatar aqui esse incruento escândalo de Janeiro. Se bem existam sempre, em cada facto, lições a aprender. Assim, nos ruidosos - e velozes - sucessos a envolver o tenente-coronel, sua esposa Ruth e o jovem terceiranista de Direito Arlindo Paiva, encontraremos no mínimo dois ensinamentos valiosos.

sexta-feira, fevereiro 14, 2014

IMAGEM

Podem acertar os vossos relógios...



CHEGA DE SAUDADE - CAETANO VELOSO

Pessoas geniais conseguem fazer coisas novas... e geniais.

RAÇAS E ETNIAS

Para esclarecer definitivamente quaisquer dúvidas que existam a este respeito...


Sexo aos 95 anos



Devido ao falecimento do avô aos 95 anos, o jovem Camilo foi fazer uma visita de pêsames à sua avó de 90 anos. Quando chega, Camilo encontra a anciã chorando e tenta confortá-la.


Um pouco depois, quando percebe que a avó está mais calma, o neto pergunta:


- Diz-me avó, como morreu o avô?


- Morreu ao fazermos amor - Confessa a avó.


Camilo, espantado, responde-lhe que as pessoas de 90 anos ou mais, não deveriam fazer amor porque é muito perigoso. O coração pode falhar!


Ao que a avó responde:


- Por precaução, já só o fazíamos ao Domingo, de há cinco anos a esta parte, e com muita calma, ao ritmo compassado das badaladas do sino da Igreja.


Era ding para o meter e dong para o tirar...


... Se não fosse o filho da puta do homem dos gelados, com o seu frenético sininho, o avô ainda estaria vivo!
 

CIRCUNCISÃO

MEMÓRIAS
DE UM JUDEU
 

Sempre que ouço aquela música do Chico, "ó pedaço de mim, ó pedaço arrancado de mim", me bate uma deprê braba. Lembro da minha infância e acabo voltando  no tempo. Estava eu deitado no meu bercinho, ainda com uma semana de vida, quando começou a chegar gente em casa. Era dia de festa. E festa de judeu lembra muito reunião do PSDB: só tem tucano. Cada nareba que não tem mais tamanho.


Mamãe convidou só 30 pessoas, mas como era boca livre, veio judeu de tudo quanto foi canto. Se mamãe cobrasse ingresso, corria o risco de nem o papai aparecer. Não precisa dizer que os presentes não trouxeram presentes.


Metade esqueceu em casa e a outra metade disse que não tinha dado tempo de comprar. Coisas da religião. Cada um que chegava, vinha até o meu bercinho. Quando se abaixavam para me ver mais de perto, virava um autêntico ataque do exército israelense. Contabilizei pelo menos umas 30 narigadas na barriga. Em vez de olharem para os próprios umbigos, vinham olhar pro meu. Acho que era por causa da "faixa de gaze". 


De repente, se fez o silêncio. Um ser estranho,  trajando um terno preto pra lá de surrado, com barba até a cintura, chapéu e cabelo ponhonhóin dos lados adentrou a sala. Parecia o Capitão Caverna na versão judaica. Ele veio na minha direção. Tirou um bisturi reluzente.Ficamos frente a frente. Ele, o lobo mau, e eu, o solidéu vermelho.


Para que esse nariz tão grande, perguntei. Por uns segundos, cheguei a pensar que mamãe tinha resolvido fazer uma plástica no meu nariz que, com menos de uma semana de vida, já era avantajado. Mas o negócio era mais embaixo. Bem mais embaixo. Ele tirou a minha fraldinha descartável, que mamãe tinha acabado de lavar, e eu gritei, abri o berreiro: "Tira esse tarado ortodoxo daqui! Esse comunista judeu quer comer criancinha!!! E no rabino, não vai nada?


Apesar de tanta tecnologia, Buááááá não vem com legenda. Não sei por que ainda não inventaram uma tecla SAP para bebês. Parti então para a minha última tentativa: um ataque com armas químicas. Soltei duas bombas de efeito moral. PUM! PUM! Mas o bigode do sujeito cobria o nariz como uma máscara antigases. Ataquei com meus jatos poderosos, mas o xixi não conseguiu furar o bloqueio da barba blindada do velho. 

Não teve jeito. O Jacozinho virou o Jacozinhozinho. Vai entender o que esse povo tem na cabeça, além desse chapeuzinho medonho? Em vez de sacrificarem uma galinha como na velha e boa macumba, eles sacrificam o pinto. Cortaram o meu pausówsky, meu penisberg. Ficou só o "cara". 

O "lho" foi-se. Uma parte de mim estava agora que nem pinto no lixo, literalmente. Depois de circuncidado, passei a entender o porquê daquele muro das lamentações. Eu, pelo menos,lamento até hoje. "Ó pedaço de mim..."

Sammy Lachmann  - Publicado no "O Pasquim"

Estabeleceu sua reputação e firmou seu conceito
OS VELHOS

MARINHEIROS

Episódio Nº 5


Como se cada gesto obedecesse a um cálculo preciso, primeiro
mediu com o olhar a distância a separá-lo da casa próxima e isolada, junto à praia, as janelas abertas sobre as águas.

Assentou rumo em direcção à porta, iniciou a abordagem. Os vizinhos seguiam atentos seus movimentos, fitavam-no com respeito: a face redonda e avermelhada, a farta cabeleira prateada, o paletó marítimo com brilhantes botões metálicos.

Iniciada a marcha, entre eles e o comandante situou-se Zequinha Curvelo: ocupara seu posto.

Os carregadores chegavam com o resto da bagagem, o comandante baixou ordens precisas e categóricas. Malas, camas, armários para os quartos, engradados e caixões depositados na sala.

Só então, terminadas as tarefas, pareceu tomar conhecimento
Da pequena multidão a contemplá-lo da rua. Sorriu, cumprimentou com a cabeça e pôs a mão sobre o peito num gesto onde havia qualquer coisa de oriental, de exótico. Um coro de “boas-tardes” respondeu à saudação.

 Zequinha Curvelo, enchendo-se de coragem, avançou um passo em direção à porta. Retirava o comandante de um dos amplos bolsos do paletó inesperado objecto, parecia um revólver, Zequinha recuou. Não era revólver, que diabo seria?

Punha-o na boca o comandante, era um cachimbo, mas não um simples cachimbo — já de si extravagância no pacato arrabalde. De espuma-do-mar, trabalhado: a boquilha representando pernas e coxas nuas de mulher, a pipa moldando-lhe o busto e a cabeça. “Oh!”, murmurou Zequinha, perdendo a ação.

Quando a recuperou, ia-se afastando da porta o recém-chegado vizinho. Zequinha apressou-se, ofereceu-lhe os préstimos, não lhe podia ser útil?

— Muito, muito obrigado… — declinou o comandante. Puxou
um cartão de visita de uma carteira, estendeu-o a Zequinha,
acrescentando:  — Um velho marinheiro, às suas ordens.

Viram-no depois, ajudado pelos carregadores, de martelo e
chave de fenda, na sala, abrindo caixões. Surgiam instrumentos raros, um óculo enorme, uma bússola. Ainda demoraram os curiosos nas imediações a contemplá-lo. Depois foram espalhar as novas.

Zequinha exibia o cartão ornado com uma âncora:


COMANDANTE VASCO MOSCOSO DE ARAGÃO
Capitão-de-longo-curso


Eis como aconteceu a sua chegada a Periperi, naquele começo de tarde infinitamente azul, quando, de um golpe, estabeleceu sua reputação e firmou seu conceito.

quinta-feira, fevereiro 13, 2014

IMAGEM

Conversa de comadres....


LAURA KIBEL - THE DUEL


Miguel Esteves Cardoso
QUEM FICA INDIFERENTE

AO NOME DA TERRA

QUE O VIU NASCER?

De Miguel Esteves Cardoso


Um dos grandes problemas da nossa sociedade é o trauma da morada.
Por exemplo. Há uns anos, um grande amigo meu, que morava em Sete Rios, comprou um andar em Carnaxide.
Fica pertíssimo de Lisboa, é agradável, tem árvores e cafés. Só tinha um problema. Era em Carnaxide.
Nunca mais ninguém o viu.
Para quem vive em Lisboa, tinha emigrado para a Mauritânia!
Acontece o mesmo com todos os sítios acabados em -ide, como Carnide e Moscavide. Rimam com Tide e com Pide e as pessoas não lhes ligam pevide.
Um palácio com sessenta quartos em Carnide é sempre mais traumático do que umas águas-furtadas em Cascais. É a injustiça do endereço.
Está-se numa festa e as pessoas perguntam, por boa educação ou por curiosidade, onde é que vivemos.
O tamanho e a arquitectura da casa não interessam.
Mas morre imediatamente quem disser que mora em Massamá, Brandoa, Cumeada,
Agualva-Cacém, Abuxarda, Alformelos, Murtosa, Angeja... ou em qualquer outro sítio que soe à toponímia de Angola.
Para não falar na Cova da Piedade, na Coina, no Fogueteiro e na Cruz de Pau. (...)
Ao ler os nomes de alguns sítios - Penedo, Magoito, Porrais, Venda das Raparigas,
compreende-se porque é que Portugal não está preparado para entrar na Europa.
De facto, com sítios chamados Finca Joelhos (concelho de Avis) e Deixa o Resto (Santiago do Cacém), como é que a Europa nos vai querer integrar?
Compreende-se logo que o trauma de viver na Damaia ou na Reboleira não é nada comparado com certos nomes portugueses.
Imagine-se o impacte de dizer "Eu sou da Margalha" (Gavião) no meio de um jantar.
Veja-se a cena num chá dançante em que um rapaz pergunta delicadamente "E a menina de onde é?", e a menina diz: "Eu sou da Fonte da Rata" (Espinho).E suponhamos que, para aliviar, o senhor prossiga, perguntando "E onde mora, presentemente?", Só para ouvir dizer que a senhora habita na Herdade da Chouriça (Estremoz).
É terrível. O que não será o choque psicológico da criança que acorda, logo depois do parto para verificar que acaba de nascer na localidade de Vergão Fundeiro?Vergão Fundeiro, que fica no concelho de Proença-a-Nova, parece o nome de uma versão transmontana do Garganta Funda.
Aliás, que se pode dizer de um país que conta não com uma Vergadela (em Braga),
mas com duas, contando com a Vergadela de Santo Tirso?Será ou não exagerado relatar a existência, no concelho de Arouca, de uma Vergadelas?
É evidente, na nossa cultura, que existe o trauma da "terra". Ninguém é do Porto ou de Lisboa.
Toda a gente é de outra terra qualquer. Geralmente, como veremos, a nossa terra tem um nome profundamente embaraçante, daqueles que fazem apetecer mentir.
Qualquer bilhete de identidade fica comprometido pela indicação de naturalidade que reze Fonte do Bebe e Vai-te (Oliveira do Bairro).
É absolutamente impossível explicar este acidente da natureza a amigos estrangeiros ("I am from the Fountain of Drink and Go Away...").
Apresente-se no aeroporto com o cartão de desembarque a denunciá-lo como sendo originário de Filha Boa. Verá que não é bem atendido. (...) Não há limites. Há até um lugar chamado Cabrão, no concelho de Ponte de Lima !!!
Urge proceder à renomeação de todos estes apeadeiros. Há que dar-lhes nomes civilizados e europeus, ou então parecidos com os nomes dos restaurantes giraços, tipo : Não Sei, A Mousse é Caseira, Vai Mais um Rissol. (...)
Também deve ser difícil arranjar outro país onde se possa fazer um percurso que vá da Fome Aguda à Carne Assada (Sintra) passando pelo Corte Pão e Água (Mértola), sem passar por Poriço (Vila Verde), e acabando a comprar rebuçados em Bombom do "Bogadouro"¹, (Amarante), depois de ter parado para fazer um chichi em Alçaperna (Lousã).
 - Bogadouro é o Mogadouro quando se está constipado!!!


Uma loura (podia ser morena) está no carro com o namorado num namoro desenfreado. Beijo puxa beijo e às tantas... 

- Não queres ir para o banco de trás? (diz ele em visível sofreguidão)

- Para o banco de trás? Não. 

Bom, o namoro lá continua, mais beijo, mais festa, mais aperto, mais amasso e... 

- Não queres mesmo ir para o banco de trás? (diz ele ainda com mais vontade) 

- Não, não quero. O pobre rapaz já meio desnorteado, lá continua no beija-beija, esfrega-esfrega até que... 

- Vá lá! Tens a certeza de que não queres ir para o banco de trás? (já desesperado). 

- Mas que coisa! Já te disse que não! Claro que não!

- Então, mas porquê? (já desesperadíssimo) 

- Porque prefiro ficar aqui ao pé de ti!

Aqui estamos, oceano, novamente juntos
OS VELHOS

MARINHEIROS

Episódio Nº 4









DO DESEMBARQUE DO HERÓI EM PERIPERI E DE SUA INTIMIDADE COM O MAR - 

- ADIANTE, GRUMETES.


Voz acostumada a ordenar. Fez um gesto com a mão apontando o rumo, desceu os três degraus da plataforma, assumira o controle da travessia, firme pulso ao timão, olhos de bússola.

Formou-se uma espécie de pequeno cortejo a desfilar na rua:
à frente, decidido e sereno, o comandante. Uns metros atrás, Caco Podre e Misael, os dois carregadores, com parte da bagagem.

Caco Podre àquela hora já bebera seus tragos habituais, seu passo era incerto, não lhe ia de todo mal o tratamento de “grumete” que lhe dera o recém-chegado. Os curiosos vinham logo depois, trocando cochichos, num grupo que crescia, pois a roda do leme, na cabeça de Misael, era um chamariz.

Não entrou em casa. Contentou-se em apontá-la aos carregadores,
continuou a caminhar. Dirigiu-se para a praia, andou até os rochedos, parou a medi-los com um olhar de conhecedor, iniciou a escalada.

 Altos não eram, escarpados tampouco, rampa suave por onde nos dias de verão crianças subiam e desciam, e, à noite, escondiam-se namorados. Mas havia tal dignidade no porte do comandante que todos compreenderam as dificuldades da empresa, como se de súbito os modestos rochedos se houvessem transformado em abrupta muralha de pedras, jamais vencida pelos pés do homem.

Ao chegar ao alto, deixou-se ficar parado, os braços cruzados
sobre o peito, a fitar as águas. Assim imóvel, o rosto contra o sol, a cabeleira ao vento (aquela suave e permanente brisa de Periperi), assemelhava-se a um soldado em posição de sentido num desfile ou, dada sua imponência, um general em bronze numa estátua.

 Vestia um estranho paletó, onde havia algo de túnica militar, azul e grosso, de gola ampla. Só Zequinha Curvelo, leitor assíduo de romances de aventuras, adivinhou estar ali, diante deles, em carne e osso, um homem do mar, habituado aos navios e às tempestades.

Murmurou sua impressão aos outros, paletó parecido com aquele ilustrava a capa de um romance de aventuras no oceano, história de frágil veleiro em meio a um mar de temporais e sargaços.

O marinheiro na capa vestia um paletó assim. Durou apenas um momento aquela imobilidade mas foi um longo momento, quase eterno, fixando a imagem na memória dos vizinhos. Depois estendeu num gesto longo o braço curto e pronunciou:

— Aqui estamos, oceano, novamente juntos. Outra vez voltou a cruzar os braços sobre o peito, era uma afirmação e também um desafio.

 Seu olhar dominava as águas calmas do golfo, onde o mar e o rio se misturavam na acolhedora baía. Ao longe, negros navios ancorados, rápidos saveiros cujas velas brancas pontilhavam o azul sereno da paisagem.

Havia, naquele olhar e na postura imóvel, a revelação de antiga intimidade com o oceano, feita de amor e cólera, de histórias vividas, sensível mesmo àqueles corações pacatos, distantes da aventura e do heroísmo.

É de justiça exceptuar Zequinha Curvelo, pois noutro clima não vivia, devorador de folhetins baratos, às voltas com piratas e pioneiros, de todo preparado para ser o protoprofeta, o são João Batista anunciador do herói desembarcado.

Assim, quando o comandante desceu dos rochedos e penetrou
no círculo dos vizinhos, murmurando, como se falasse consigo mesmo,  “longe do oceano não posso viver”, penetrou também e definitivamente na admiração de seus novos concidadãos.

Parecia, no entanto, não vê-los, não se dar conta de sua presença e curiosidade.

quarta-feira, fevereiro 12, 2014

O Cobridor do Estado

IMAGEM

O DIA DAS BRUXAS

(Ou desta adorável bruxa?...)


LÁBIOS DE MEL - KATIA GUERREIRO e NEY MATOGROSSO

A letra e a música são de Valdir Rocha (1955)

Deus Existe?

A PROVA DE PASCAL


Richard Dawkins – “A Desilusão de Deus”



De acordo com o grande matemático francês Blaise Pascal, por maiores motivos que sejam as probabilidades contra existência de Deus, há ainda uma assimetria maior no castigo por escolher a opção errada.

O melhor é acreditar em Deus, porque se estivermos certos, habilitamo-nos a ganhar a felicidade eterna, e se estivermos errados não vai fazer diferença nenhuma.

Por outro lado, se não acreditamos Nele e estivermos errados somos condenados à maldição eterna ao passo que se tivermos certos não faz qualquer diferença.

Perante isto a decisão é facílima: acreditar em Deus.

Perguntaram a Bertrand Russell o que diria se morresse e Deus lhe perguntasse por que razão não tinha acreditado: «Provas insuficientes, Deus, provas insuficientes» foi a (eu ia a dizer a imortal) resposta de Russell.

Não teria Deus respeitado mais Russell pelo seu corajoso cepticismo, (para não falar de corajoso pacifismo que lhe valeu a prisão na 1ª Guerra Mundial) do que Pascal pela cobardia de apostar no seguro?

E se, de qualquer maneira, não temos maneira de saber para que lado se inclinaria Deus, o que é facto é de que não precisamos de sabermos para refutarmos a aposta de Pascal.

Repare-se que é de uma aposta que se trata, e Pascal não quis dizer senão que eram escassas as suas probabilidades.

O leitor “apostava” em que Deus daria mais valor à crença fingida por desonestidade do que ao cepticismo sincero?

Provavelmente ele estava a brincar quando fez a sua aposta, tal como eu estou a brincar quando estou a rejeitá-la desta maneira.

 Por que razão é quase certo que Deus não existe?


«Os sacerdotes das diferentes seitas religiosas… temem o avanço da ciência como as bruxas temem a aurora e franzem o sobrolho ao fatal arauto dos logros em que vivem»
                                                             
Thomas Jefferson


O Fantástico Boeing 747

O argumento da improbabilidade é o que maior importância tem. Revestindo-se tradicionalmente com as roupagens do argumento do desígnio, é hoje, sem margem para dúvidas, o mais popular apresentado a favor da existência de Deus.

É de facto um argumento bastante forte. O nome que dou à demonstração estatística de que Deus quase de certeza não existe é a jogada do fantástico Boeing 747 e do ferro-velho.

Esta teoria deve-se a Fred Hoyle, astrónomo britânico que afirmou que a probabilidade da vida ter surgido na Terra não é maior do que a possibilidade de um furacão ter varrido um ferro-velho e, por sorte, ter montado um Boeing 747.

A sua teoria é de que a vida surgiu no espaço espalhando-se então pelo universo.

As coisas complexas não podem ter surgido por acaso e este é o argumento da improbabilidade.

A selecção natural de Darwin mostra quanto isto é errado. A hipótese de Deus corresponde ao Boeing 747 que apareceu feito por acaso depois de um vendaval ter varrido um ferro-velho.


As secretárias de alguns médicos devem pensar que são doutoras.

Isto, porque perguntam, quase sempre, quando se chega a uma consulta, a razão da visita. E o paciente, por delicadeza, tem que responder, diante de todos, às perguntas que lhe fazem, o que se torna muito desagradável.

Não há nada pior que uma recepcionista perguntar o motivo da consulta, diante de uma sala de espera cheia de pacientes.

Uma vez entrei para uma consulta, aproximei-me da recepcionista, com um ar de pouco simpática.


 - Bom dia, minha senhora!

 Ao que a recepcionista respondeu:

 - Bom dia, quais são as suas queixas? Porque veio à consulta?

 - Tenho um problema com o meu pénis, respondi.

 Como alguns dos presentes riram, a recepcionista alterou-se e disse-me:

 - O senhor não deveria dizer coisas como estas diante das pessoas.

 - Porque não? ... a senhora perguntou-me a razão da consulta e eu respondi.

 A recepcionista disse-me, então:

 - Poderia ter sido mais dissimulado e dizer, por exemplo, que teria uma irritação no ouvido e discutir o real problema com o Doutor, já dentro do gabinete médico.

Ao que eu respondi:

 - E a senhora não deveria fazer perguntas diante de estranhos, se a resposta pode incomodar.

Então sorri, saí e voltei a entrar:

 -  Bom dia, minha senhora!

A recepcionista sorriu, meio sem jeito, e perguntou:

 -  Sim???

 - Tenho um problema com o meu ouvido.

A recepcionista assentiu e sorriu, vendo que havia seguido o seu conselho e voltou a perguntar-me:

 - E... o que acontece com o seu ouvido?


 - Arde-me quando eu mijo...

As risadas na sala de espera foram incontroláveis...

Site Meter