sábado, novembro 07, 2015

IMAGEM

Que apaixonados que eles estão...



My Way - Frank Sinatra


Quando lhe mostraram esta canção pela 1º vez limitou-se a dizer: -"essa é minha!". Todos a cantaram mas, para mim, a melhor interpretação é a dele.



Lisboa - Dakar


JORGE AMADO

























Nascido a 10 de Agosto de 1912, no sul do Estado da Bahia, Jorge Amado, nasceu, como dizia sua mãe, “com estrela”; um homem afortunado. Seu pai queria que o filho fosse doutor, e ser doutor naqueles tempos era formar-se em Medicina, Engenharia ou Direito.



Jorge Amado, que desde os catorze anos participava em movimentos culturais e políticos, optou por Direito. Fez a vontade ao pai, mas não foi buscar o diploma e nunca exerceu advocacia. Em compensação, no ano da sua licenciatura, em 1935, já era um escritor conhecido, autor de quatro livros que fizeram sucesso entre o público e a crítica: “O País do Carnaval” com que se estreou aos dezoito anos, “Cacau”, “Suor e Jubiabá”. Em 1937, devido ao seu intenso envolvimento político, viu toda a edição do seu livro “Capitães da Areia” ser queimada em praça pública, o que o levou, em 1941, ao exílio na Argentina e no Uruguai.

Em 1945, Jorge Amado uniu-se a Zélia Gattai, companheira de toda a sua vida. Deputado Federal pelo Estado de São Paulo, fez parte da Assembleia Constituinte votando leis importantes, como a que ainda hoje garante a liberdade religiosa no país. Em 1947, o Partido Comunista foi ilegalizado e Jorge Amado perdeu os seus direitos políticos.

Voltou para o exílio, desta vez em França e na Checoslováquia, continuando a escrever e a trabalhar pela paz, agora na companhia de Pablo Neruda, seu velho amigo, de Pablo Picasso, de Luís Aragon, de Nicolas Guillen, só regressando ao Brasil em 1952. Em 1961 foi eleito para Academia Brasileira de Letras, vindo também a pertencer à Academia de Letras da Baía, à Academia de Ciências e Letras da República Democrática Alemã e à Academia de Ciências de Lisboa sendo membro correspondente destas duas últimas.

O seu livro Gabriela , Cravo e Canela, publicado em 1958, teve grande sucesso e os seus direitos cinematográficos foram vendidos para a Metro, o que possibilitou ao escritor a compra de uma casa em Salvador realizando, assim, o sonho de voltar a viver na sua terra.

Em 1963 muda-se com a sua família para a rua de Alagoinhas, onde continuou a escrever os seus livros.

Foi publicado em 95 idiomas, faleceu a 6 de Agosto de 2001.

Jorge Amado acumulou um sem número de Prémios Literários e foi-lhe atribuído o título de Doutor Honoris Causa pelas principais Universidades de países como: França, Itália e Israel.


Para mim, simplesmente, ele foi o melhor contador de histórias escritas e é de uma grande injustiça que não lhe tenha ainda sido atribuído o Prémio Nobel da Literatura.

Impregnadas de um humanismo autêntico, inserido numa realidade social que ele tão bem conhecia, sinto-me orgulhoso que elas tenham sido escritas por um compatriota porque, como dizia Fernando Pessoa, a minha língua é o meu país.

Em homenagem a Jorge Amado e como agradecimento pelos momentos de prazer que os seus livros me proporcionaram, reproduzirei neste blog, diariamente, a partir de segunda-feira, o romance da Tieta do Agreste, uma das suas melhores histórias, que gira à volta de uma relação incestuosa entre uma tia, mulher sensual, e um jovem seminarista, filho da sua irmã, beata compulsiva.


Foi telenovela, lançada em 1989 e vista em Portugal mas sem a coragem de assumir a relação incestuosa na história que foi substituída por uma relação com outro personagem, o que retirou muito da sua intensidade. Mas nós vamos ler o original, em episódios para o saborearmos melhor.

Jorge Amado desce às profundezas da natureza humana e aos conflitos gerados entre essa natureza e os códigos morais prevalecentes na sociedade.

As suas personagens são reais, autênticas, descritas até aos últimos pormenores e, por isso, elas marcam-nos. O romance termina mas elas ficam connosco.

O Joãozinho










Joãozinho vai a farmácia. - Seu Joaquim, me dê uma caixa de supositórios. Distraído, o menino pega a caixa e vai saindo da farmácia sem entregar o dinheiro. - É pra pôr na conta de sua mãe? - Pergunta o farmacêutico. - Não, é para pôr no cu do meu pai!

Assim Nasceu Portugal
(Domingos Amaral)




Episódio Nº 104


















Assim, meu pai jamais se passaria para o lado dos galegos, e o seu casamento tornava ainda mais forte a pretensão de Dona Teresa de incluir essas terras nos seus domínios.

Nem os portucalenses mais recalcitrantes negavam aquela argúcia.

Mal se atenuaram as saudações aos nubentes, a rainha referiu que aquele não seria o único casamento na família Moniz. Nesse momento Dona Teresa olhou para mim e declarou:

 - A melhor espada do nosso Condado, Lourenço Viegas, varão de Ribadouro, desposará Maria Gomes, filha de Gomes Nunes e de Elvira Peres de Trava!

Mais aplausos se ouviram e vi Chamoa levantar-se, emocionada, e correr a abraçar a coradíssima irmã. Também meu amigo Afonso Henriques me abraçou, dizendo-me:

 - Assim será, como era vosso desejo!

Todos naquela sala apoiavam o meu casamento com Maria. Era uma união de um portucalense com uma Trava, mas não ia contra os interesses do Condado.

O território de Toronho, ambicionado por Dona Teresa, em teoria devia vassalagem a Afonso VII, mas na realidade girava na órbita portucalense.

Embora na aparência formal estes dois casamentos aumentassem o poder de Dona Teresa e do Trava, que obviamente os patrocinara, a prazo mais longo eram também favoráveis às pretensões futuras de Afonso Henriques.

A união com a Galiza era um desejo antigo da família, que remontava pelo menos ao conde Henrique, e mesmo tendo de aturar o Trava mais uns anos o Condado ficaria mais sólido e poderoso se lhe adicionassem as terras de Celanova e Toronho, Límia, Astorga e Zamora.

Por isso, vi o príncipe sorrir, e ele disse-me mais tarde que, por momentos, chegou a sentir admiração pela mãe. Ela não só cumpria o prometido, como lhe desenhava um futuro deveras agradável.

De repente, ouviu-se a voz de Gonçalo que se levantara:

- Casam os meus amigos e eu não?

A rainha sorriu-lhe. Sempre gostara daquele amigo do filho, que considerava um brincalhão sem maldade, e respondeu-lhe:

 - Tendes a vosso lado duas mouras casadouras. Se desejares desposar uma delas tendes de o dizer!

Os olhares dos presentes caíram sobre as raparigas muçulmanas, Fátima e Zaida, que estavam sentadas alguns lugares depois de Gonçalo e dividiam a mesma escudela.

Zulmira ficou aterrada ao ouvir a sugestão da rainha, e ainda mais quando a sua filha mais velha, sem hesitar, declarou:

 - Antes me cortem o pescoço, jamais casarei com um cristão!

O olhar brilhante e feroz de Fátima percorreu a sala, orgulhosa, sabendo que muitos pensavam como ela.

Eles entenderam-se
Já há acordo















Quem o disse foi António Costa, ontem na televisão, e o derrotado das eleições de 4 de Outubro passado, prepara-se agora para ser o novo 1º Ministro mostrando ao país, que digam o que disserem, os votos dos portugueses elegem deputados que representam partidos e não mais do que isso.

É este o regime político em que vivemos: o poder encontra-se na Assembleia da República, pelos entendimentos que ali se formam entre os partidos representados pelos deputados que são eleitos pelo povo em nome dos seus partidos.

A Constituição, neste aspecto essencial, nunca mudou desde que nos rege, mas aquilo que verdadeiramente ela é, só agora o foi..., e o espanto estampou-se na cara dos portugueses, que não de António Costa, dos poucos a perceber que a vida muda com os tempos, as pessoas evoluem, e quarenta anos são mais do que aqueles que muitos jovens políticos com funções importantes nos seus partidos, possuem de idade.

A direita procura minar o acordo à esquerda mas, resignada, já vai dizendo que Passos Coelho “está pronto para liderar a oposição na Assembleia”, e Nuno Magalhães afirma que “Portas será uma mais-valia no Parlamento.

Francisco Assis, auto-candidato a sucessor de Costa, chefe dos desalinhados do partido socialista contra este acordo à esquerda, contou as espingardas mas promete: “não vou alimentar guerrilhas no PS”.

Parece, assim, que está tudo pronto para começar o momento histórico em Portugal: um governo socialista com apoio maioritário na Assembleia da República do BE e do PCP.

Ficará a faltar a indigitação de António Costa para 1º Ministro que compete ao Presidente da República, que está de saída do seu 2º e último mandato e que seria a última esperança de Passos e Portas se tivesse alguma alternativa... mas não tem e, sendo assim, o que falta serão pró-formas.

Sairá com uma mágoa no coração, ele, que é um homem de direita que nunca mereceu a carreira política que teve, vai sair depois de investir um governo de esquerda com o apoio dos comunistas...

A vida em Portugal vai ganhar aspectos diferentes, mais interessantes e esperançosos, e é completamente falacioso perguntar “se foi isto que o povo quis”.

O povo expressou a sua vontade no momento em que, livremente, no local da urna, em solidão, fez a cruzinha no Boletim de Voto.

Esta é a nossa democracia e... ponto final.

sexta-feira, novembro 06, 2015

                                 IMAGEM

143 Kg; 2,23 cm e nada que se lhe aponte. É holandesa. Que pena não ser portuguesa... somos todos tão pequeninos... e já fomos mais.





Gato Fedorento - Eu Sou o Maior da Minha Aldeia



Viviane - Meu Coração Abandonado

Como gosto de ouvir a Viviane neste "Meu Coração Abandonado"... Talvez seja por aquela entrada do acordeão... ou  pelo coração abandonado, ou por ambos.



Assim Nasceu Portugal
 (Domingos Amaral)




Episódio Nº 103

















Terminadas estas proclamações, entraram na tenda jograis, trovadores e músicos. Uma imediata tensão se apoderou de mim e dos meus irmãos quando vimos aparecer Ordonho e Fruela.

Contudo os bobos galegos eram gordos mas não estúpidos e não repetiram as afiadas chalaças da véspera, brindando aquela nobre plateia com cantigas de amigo e trovas célebres da Galiza.

A dado momento, relembraram El Cid, o valente combatente que décadas antes tinha batido os árabes, e declararam-se orgulhosos por estarem entre eles um homem capaz de semelhantes feitos, uma óbvia e encomendada alusão a Fernão Peres de Trava, que sorria satisfeito.

A um canto da sala Ramiro e Raimunda, cúmplices desde o dia anterior, observavam o florir do encantamento de Afonso Henriques por Chamoa.

No entanto, ambos repararam que a rapariga galega parecia mais solta, talvez devido ao vinho, e sorria para os homens, pois vários lhe haviam dito que era a mais bela da tenda.

Quando terminou a actuação dos bobos, Dona Teresa voltou a levantar-se e proclamou.

 - Anuncio-vos o casamento religioso de minha filha Sanches Henriques com Fernão Mendes, senhor de Bragança!

Ouviu-se uma salva de palmas e o Braganção que bebera demais, enrolou a fala quando ergueu a taça na direcção da rainha.

Trôpego, ainda quis saudar a futura esposa, mas Gonçalo de Sousa colocou-lhe à frente mais um vaso de vinho, o que o acalmou imediatamente. Então Dona Teresa prosseguiu:

 - Anuncio igualmente outro augusto casamento religioso, de um dos mais importantes nobres do nosso Condado!

Afonso Henriques sentiu o nervosismo a crescer, pois pensou que a mãe se referia a Paio Soares. Na véspera, numa secreta conversa que tinham tido ao final da tarde, Dona Teresa mostrara-se irritada com o amuo do antigo alferes, julgando-o uma desconsideração, e dissera ao filho que estava adiado qualquer plano de casamento que lhe houvesse ocorrido para o seu novo Mordomo-Mor.

Mas Afonso Henriques temia que a mãe tivesse mudado de ideias, um desagradável hábito que mantinha há muitos anos e só se tranquilizou quando a ouviu dizer:

 - O meu estimado Egas Moniz, que tão bem tem educado o meu filho, irá casar-se com a bela Teresa Afonso de Celanova!

Houve novo aplauso geral e eu e meus irmãos juntámo-nos ao coro de felicitações ao nosso progenitor, que olhava para a noiva embevecido.

Afonso Henriques sorriu, também feliz. Depois de ter sofrido com a morte de Dórdia, que muito amava, o seu preceptor casava agora com uma bela mulher.

O encantamento justificava-se. Teres era jovem, inteligente, recatada, e ainda por cima herdeira de territórios consideráveis.

Dona Teresa fora esperta, dava a meu pai o que ele queria, mas dentro de um espaço onde ela também aspirava a mandar, a margem norte do rio Minho.


O Joãozinho











Joãozinho chega em casa e entrega ao pai o recibo da mensalidade escolar.

 - Meu Deus! Como é caro estudar nesse colégio.

 E o menino:

 - E olhe, pai, eu sou o que menos estuda da minha classe!


Lugar mais bonito para viver
Tocaia Grande
(Jorge Amado)

Episódio N 382 – Último





















Ali ficaram, crivados de bala, a veneranda e influída estanciana - velha broca, murmurou o Sargento - e o invencível estandarte do reisado.

Os jagunços seguiram em frente e ocuparam o barracão.

Com o que, o sargento Orígenes Brito, da Polícia Militar do
Estado da Bahia, delegado comissionado de Itabuna, deu por cumprida a missão de guerra e passou a organizar, com os cabras indóceis, a guarda de honra para acolher com as vénias devidas as autoridades do município, a egrégia e garrida comitiva ainda à espera na Baixa dos Sapos.

Somente depois da cerimónia do triunfo, o Sargento liberaria seus comandados para o saque e a esbórnia.

24

No deslumbre da lua cheia cravada sobre a terra violada, sobre o rio assassinado, sobre a morte desatada, na hora da meia-noite, junto ao pé de mulungu, no alto do Outeiro do Capitão, Jacinta Coroca e Natário da Fonseca, ela com a repetição, ele com o parabelo, na tocaia, usufruíam a beleza da paisagem.

Lá em baixo, jazia Tocaia Grande ocupada pelos jagunços e pelos cabras da Briosa.

- O melhor de tudo - disse Coroca -  não tem nada que se compare, é aparar menino. Ver aquele peso de carne saído de um bucho de mulher, mexer na mão da gente, vivinho. Até dá vontade de chorar.

No primeiro que peguei, caí no choro.

O Capitão deixou transparecer nos lábios o fio do sorriso:

- Tu pegou um bocado de menino. Tu virou uma senhora dona.

- Nós mudou e cresceu com o lugar. Tu também, Natário, não é o mesmo cabra ruim de dantes.

- Possa ser...

Houve um breve silêncio e, vinda do rio, na noite estival, a viração os envolveu numa carícia morna e espalhou no ar o perfume do jasmineiro.

Na voz serena de Coroca, o calor e a brisa:

- Nunca vi ninguém gostar tanto de outra pessoa, mulher gostar tanto de um homem, como Bernarda de vancê.

Ficou pensativa por um instante, prosseguiu: - Acho que isso é o amor de que se fala. Sei como é, conheci mocinha nova. Se chamava Olavo, me comeu os tampos, era fraco do peito, morreu botando sangue pela boca.

Me lembro como se fosse hoje.

Chegou até eles o tropel da comitiva dos notáveis Vinham da desolação da Baixa dos Sapos: nas choças abandonadas pelas raparigas, os jagunços haviam-se entrincheirado, após liquidar Paulinha Marisca, única que ficara de guarda no puteiro.

Aprendera a atirar em Alagoas com os vários pistoleiros da família. Na casa de madeira, nos barracos de adobe, o intendente o Juiz o Promotor, o Mandatário e a álacre companhia, a corte alti-sonante, se abrigaram, aguardando o momento da entrada triunfal.

Despontaram sob a claridade do luar, uma cavalhada de se ver e bater palmas: gordos, fortes, garbosos, bem vestidos, bem dispostos, traziam a lei para implantá-la. Jacinta Coroca apoiou a repetição no galho da árvore.

O capitão Natário da Fonseca repetiu:

- Lugar mais bonito pra viver!

- Não há igual. - Concordou Coroca.

Montando um esplendor de égua, no centro do cortejo tendo de um lado o Intendente, do outro a divina Ludmila Gregorióvna, destacava-se o corpanzil do bacharel Boaventura Andrade Júnior, chefe político, mandachuva.

A cara aberta em riso.

Natário firmou a pontaria, visando a testa de Venturinha.

Em mais de vinte anos, não errara um tiro. Com sua licença,
Coronel.

25

E aqui se interrompe em seus começos a história da cidade de Irisópolis quando ainda era Tocaia Grande, a face obscura.

O que aconteceu depois - o progresso, a emancipação, a mudança de nome, a comarca, o município, a igreja, os bangalôs, os palacetes, os paralelipípedos ingleses, o intendente, o vigário, o promotor e o juiz, o fórum e a cadeia, a loja maçónica, o clube social e o grémio literário, a face luminosa - não paga a pena contar, não tem graça. Até mais ver.


FIM

Marçal Grilo
Facto Histórico





















“Nesta eventual coligação à esquerda existem muitos ingredientes para que não corra bem. Mas, se correr bem será um facto histórico e mudará radicalmente a vida política portuguesa. Radicalmente.”

Marçal Grilo, Ex-Ministro, Ex -Administrador da Gulbenkian.


Esta afirmação diz tudo o que há de mais importante desta fase da vida política que o meu país está a atravessar.

Ao lê-la, senti dentro de mim um impacto, como quando se é atingido em cheio por um objecto certeiro e contundente.

Pois é... pois é..., a direita devia estar feliz na eminência de tempos de completa glória e total sucesso com a esquerda, toda ela, esfrangalhada e, no entanto, está em pânico.

- Por quê? – Porque a iniciativa de António Costa pode correr bem e isso seria um “facto histórico”, diz Marçal Grilo.

Não sei se essa hipótese é remota mas que pode acontecer, pode, e eu tenho confiança em António Costa, um homem bem formado, com experiência e cultura política, e é altamente improvável que vá meter o país num impasse internacional.

Por outro lado, sinceramente, já não me parece que os comunistas sejam capazes de “comer criancinhas” ao pequeno-almoço, pôr termo à iniciativa privada, colectivizar a propriedade e voltar aos planos quinquenais de produção do tempo dos sovietes...

No entanto, estas ameaças continuam a ser servidas, mais ou menos veladamente, em 2015, como um dos grandes papões da direita para meter medo às pessoas.

Se este mito cair por um bem sucedido governo de Costa com o apoio dos comunistas, será um facto histórico, um grande contributo do PS para uma importante “libertação” do país.

O governo e os governantes continuam a viver, não de enormes ordenados, mas com ostentação e privilégios que custam muito dinheiro perfeitamente escusado.

Recentemente, a substituição da frota de automóveis do Estado, que tinha quatro anos, custou cem milhões de euros e carros houve que custaram mais em extras do que o seu preço base...

Não quero ser demagógico, sei perfeitamente que não é por aqui que “o gato vai às filhoses”, mas já não direi o mesmo dos BPN; BPP; BES, que podem afundar um país frágil como o nosso e não vi, em nenhum desses casos que aconteceram, uma única pessoa, uma que fosse, que tivesse qualquer ligação ao PCP ou ao BE.

Descobrir outro tipo de cidadãos para a área do governo com escrúpulos e pudor relativamente ao poder e aos dinheiros públicos, poderá ser apenas uma vã esperança, um sonho como qualquer outro, que acaba de manhã com um simples abrir de olhos, mas... quem não gosta de sonhar?

Há cerca de um mês pensava, sinceramente, que o PAF de Passos e Portas, depois de terem ganho as eleições iam ter, como “castigo”, continuar a governar o país sob a rédea curta do PS.

Poder vê-los, agora, na oposição, impotentes perante um governo de esquerda, liderado por António Costa, não será, só por si mesmo, o princípio de um sonho?...

quinta-feira, novembro 05, 2015

IMAGEM

A pensão de reforma de Ricardo Salgado vai triplicar, passando já em Novembro de 29.000 para 90.000 euros por mês, segundo a TVI. "E nas mesmas circunstâncias de Salgado estão mais uma dezena de ex-gestores do antigo Banco Espírito Santo", sublinha o canal de Queluz.

Não sei se irão mesmo passar a receber estas pensões astronómicas mas a expressão dele é feliz. Naturalmente, vai receber mesmo... Depois de tudo o que fez, do burburinho que provocou, das falências que causou, dos dramas terríveis vividos por centenas de pessoas que lhe confiaram as poupanças de uma vida e ficaram sem nada, e de um país que ajudou a arruinar... não dá para entendê, como dizem os meus amigos brasileiros! 




Mixórdia de Temáticas - Declarações de IRS...



Gianni Morandi - Non Son Degno de Te


Ainda consegue ser um pouco mais novo que eu mas a sua voz e as suas canções do princípio dos anos sessenta ficaram-me gravadas na memória. Para que não se apaguem completamente ouça-mo-la de novo.

No ano em que embarquei no Vera Cruz para a guerra de Angola ele lançou-se no estrelado da música pop italiana e de tão bem sucedido veio a vender 30 milhões de discos. Corria, então, o ano de 1962.



-













Inconfidências






























Na sala de aulas, o professor pergunta à Lurdinhas, a mais espevitada:




- Quem foi o primeiro homem?




- Professor, se não se importasse, eu preferia não dizer...




A prudência do Sargento era-lhe ditada...
Tocaia Grande
(Jorge Amado)


Episódio Nº 381




















22


Quanto aos referidos jornais da Capital, travaram ruidosa polêmica, incruenta porém furibunda: ficou nos anais da imprensa baiana devido aos fulgurantes talentos que dela participaram, plêiade de águias!

No único jornal da oposição, vibrantes plumitivos botaram a boca no mundo, em artigos, sueltos e a pedidos, que respingavam, todos eles, indignação, vergonha e sangue, falando na volta dos tempos ignominiosos quando o sul do Estado era terra de criminosos desnaturados, monstros desalmados, bandidos sem lei.

Os três diários governistas, não menos veementes, retrucaram afirmando que, muito ao contrário, o que se dera fora a imposição da ordem e da lei em remanescente valha couto de bandidos, réus confessos e condenados, trânsfugas fugidos da polícia.

Simples, rotineira operação de limpeza que viera pôr termo aos últimos resíduos de uma era de infâmia e barbárie.

23

Apesar da insistência das autoridades superiores, apressadas
e levianas, o sargento Orígenes esperou, para ditar as ordens, uma boa meia hora após terem cessado os tiros esparsos vindos do cruzeiro e do barracão, sinal que, feridos ou mortos, os obstinados estavam fora de combate.

A prudência do Sargento era-lhe ditada pelas perdas sofridas.

Não previra tantas baixas nas fileiras dos jagunços e dos soldados.

Dos oito praças efetivos, restavam-lhe apenas três, cinco haviam tombado, além do cabo Chico Roncolho. Uns quinze cabras -  não contara mas o cálculo devia ser bastante exato - tinham entregue a alma a Deus ou ao Diabo.

Os tipos de Tocaia Grande, alguns deles tomando das armas pela primeira vez, comportaram - se como profissionais, venderam caro a vida.

Por que demónios o fizeram, o Sargento não sabia, mas, sendo do ramo, antigo jagunço, valorizava a façanha. A sorte tinha sido a morte do capitão Natário da Fonseca. Sem ele, o resto ficara fácil.

Prolongando-se a calmaria, marcada a meia hora no cebolão, Orígenes ordenou ao contingente ainda numeroso, apesar das duras perdas, avançar sobre o barracão, com cuidado, devagar, de armas embaladas.

Nunca é demais estar prevenido contra um louco, em todas as partes eles existem e se exibem.

Tivesse apostado, teria ganho. Estavam se aproximando do cruzeiro quando dos esconsos da noite surgiu uma figura estranha, empunhando e agitando uma espécie de bandeira enquanto, com a mão livre, disparava uma garrucha carcomida: tiros ao léu, por isso mesmo perigosos.

Incontinenti, o Sargento comandou fogo e foi obedecido. A descarga derrubou o solitário atirador; a bandeira revolteou sozinha e veio cair aos pés da cruz.

Servira de bandeira mas não passava do estandarte de reisado, encarnado e azul. Quem o conduzira e manejara a garrucha fora sia Leocádia que, em lugar de seguir os parentes na retirada, à espera de ver como seria depois, preferira ficar em Tocaia Grande, arriscando a vida.

Idosa de oitenta anos, envergara os trajes da Senhorita Dona Deusa, usados no Dia dos Reis Magos pela neta Aracati, empunhara o estandarte e a garrucha e viera desfilar no descampado.

Assim Nasceu Portugal
(Domingos Amaral)



Episódio Nº 102



















- Podemos voltar a passear? - sugeriu Afonso Henriques fixando os olhos verdes da rapariga.

Chamoa corou batendo as pestanas. O príncipe amava-a, queria voltar a encontrar-se com ela, e sentiu o coração a acelerar. Nem queria acreditar no que lhe estava a acontecer, o seu sonho de criança tornava-se realidade!

Eufórica, sorriu e aprovou.

 - Sim, iremos ao rio da Loba.

Afonso Henriques mergulhou a colher na escudela, enchendo-a de sopa e Chamoa imitou-o.

Os dois encostaram os ombros, sentindo o calor do corpo do outro, e ela riu-se, divertida e enamorada.

O príncipe levou a colher à boca, sorveu o líquido e depois sorriu-lhe, mas a rapariga franziu a testa. Com a mão direita pegou numa napeira, que estava pousada na mesa, e ergueu-a à boca de Afonso Henriques, limpando-a enquanto dizia:

 - Tenho de cuidar de vós.

O príncipe piscou-lhe o olho e acrescentou:

 - Espero que a vida inteira.

Chamoa riu-se e corou de novo, mas de repente alguém lhe lançou um elogio, talvez Gonçalo ou mesmo o Braganção e ela distraiu-se, enquanto continuava a comer a sopa.

A seu lado, Afonso Henriques, reparou que a mãe estava atarefada a verificar se as pedras serpentinas mudavam de cor quando mergulhadas nos caldos de amêijoa ou berbigão, vigiando possíveis envenenamentos.

Abanou a cabeça, e piscou-lhe o olho, enquanto eu notava que o prudente Paio Soares não tornava público o seu agastamento, pois um desaguisado com Afonso Henriques colocaria em risco a sua eminente promoção a mordomo-mor.

Em esforço, só vendo as costas de Chamoa, mordia o ciúme e conversava com o pai dela sobre a caça aos ursos em Tui.

Na tenda, as agrestes palavras de Teotónio, começavam já a ser esquecidas, até porque o Trava, sempre sorrateiro, pedira aos taberneiros que juntassem menos água ao vinho, como se fazia na Galiza, e os efeitos sentiam-se, nobres e senhoras falavam mais depressa e riam mais alto.

A crueldade dos súbitos suspende-se quando são bem tratados.

No final do jantar foram servidos pão de ló e os biscoitos de flor de laranjeira,  e Dona Teresa que se poupara no vinho sabendo que ia discursar, levantou-se e informou a alegre assembleia que Bermudo, marido da sua filha Urraca Henriques, seria o novo governador de Viseu, o que originou as primeiras palmas da tarde.

O visado corou, ergueu-se e fez uma pequena vénia à sua antiga esposa, agradecendo a honra, e depois beijou a actual na face, o que a deixou também ruborizada.

Preparava-se Bermudo para realizar um discurso de gratidão quando Dona Teresa, revelando o apreço que sempre tivera por ele, mandou-o com um gesto, sentar e calar-se, o que ele fez de pronto, mostrando a todos que nada mudara no trato entre os antigos, mas mal sucedidos amantes.

De seguida, Dona Teresa encarou Paio Soares que se levantou para que todos o pudessem ver, ao mesmo tempo que sacudia do balandrau as migalhas e os bocados de comida, por forma a que o seu reluzente tecido mais se realçasse.

A notícia foi esperada: iria ser o Mordomo-Mor do Condado!

O senhor da Maia executou uma vénia pomposa, agradecendo o título ao mesmo tempo que exibia a vestimenta, provocando risinhos em Chamoa.

Site Meter