sábado, agosto 31, 2013

IMAGEM

Apanhada na rede...


Demetrius - Ritmo da Chuva

DEZOITO ANOS DE 

IDADE... ...




Com o passar dos dias sempre iguais
Perdi a noção do tempo.
Não sei que idade tenho,
esqueci o ano, o mês, o dia em que nasci
até ao dia em que te vi…

Estavas imóvel, serena e absorta á espera do elevador.
Olhei para ti, primeiro, normalmente, depois com atenção,
finalmente encantado.

Senti dentro de mim uma enorme ebulição,
estava apaixonado!

Apercebi-me, então, que acabara de fazer dezoito anos de idade.

Lamento, meu amor, não o poder comprovar com a apresentação do Bilhete de Identidade.

Mas se olhares para dentro dos meus olhos, com atenção,
verás dezoito estrelinhas, cada uma brilhando para ti.

E se visitares o meu jardim, encontrarás á tua espera
dezoito lindos botões de rosa que aguardam o conforto do teu olhar,
 a carícia dos teus dedos e o roçar dos teus lábios.

É falso dizer que o amor não tem idade.
Aquele de nós, que alguma vez se apaixonou, em qualquer momento da sua vida, fez nesse dia, precisamente, dezoito anos de idade…

GASTRONOMIA

 DARWINISTA




Neste campo pode dizer-se que o homem, ao longo da história, utilizou inteligentemente a capacidade de algumas plantas para combater micróbios e insectos invasores.

De acordo com a teoria evolucionista da culinária, a que alguns também chamam de “gastronomia darwinista” – é bem possível que os portugueses tenham tido um papel importante no aumento da longevidade de muitas populações, através do comércio das especiarias trazidas de países longínquos onde chegaram na época dos descobrimentos, no Sec. XVI (a primeira circum-navegação à terra data de 1520 e foi possível com as novas técnicas de navegação adoptadas no século XV).

E sabe-se que, entre essas especiarias, a pimenta era a “rainha” sendo paga, literalmente, a peso de ouro em balanças nas quais se punha ouro num dos pratos e pimenta no outro.

Quando os Godos cercaram Roma, em 408 D.C., pediram um resgate de 5.000 libras de ouro e 3.000 de pimenta.

Na nossa prática culinária ficaram-nos hábitos transmitidos desses tempos. Lembremo-nos, por exemplo:

- Do arroz doce polvilhado com canela, a qual tem uma acção anti microbiana;

- Da açorda de marisco com muitos alhos e coentros, bem picadinhos, que têm uma acção análoga;

- Dos camarões cozidos com muito piripiri ou caril;

- Dos orégãos espalhados sobre as pizas;

- Da carne temperada em vinha de alhos para se tornar mais tenra, sem esquecer que a presença do alho impede que a carne seja um meio para o desenvolvimento de micro-organismos.

O alho é um dos condimentos mais utilizados nos países mediterrâneos sendo um potente agente microbiano de reconhecidos efeitos terapêuticos. É muito natural que aquelas famílias que tradicionalmente mais utilizavam o alho na confecção dos seus pratos apresentassem uma menor incidência de doenças infecciosas.

Por isso, podemos imaginar que a existência de alguns de nós ter-se-á ficado a dever ao alho pela protecção que ao longo de muitas gerações proporcionou aos nossos antepassados.

As plantas, contrariamente aos animais, não dispõem de sistema imunitário. A sua protecção contra micro-organismos invasores reside nas fortes paredes celulares que contêm celulose e lenhina, no seu carácter ácido (baixo ph) e em certos compostos que sintetizam e que têm uma acção anti – microbiana constituindo uma defesa.

O caril é uma mistura de várias especiarias: cominhos, coentros, gengibre, pimenta preta, cártamo, cravinho, etc.

O chili é também uma mistura, mas de pó de pimentas, paprica (obtido de pimentão doce depois de seco e moído), alho, cominhos e orégãos.

O próprio sal, sendo um mineral, também se pode chamar de especiaria.

Para além do papel anti-microbiano, os condimentos têm, igualmente, uma acção anti-oxidante sobre os alimentos retardando a oxidação dos lípidos e proteínas, uma das causas da sua deterioração, tanto a nível nutricional como organolítico.

Mas como “não há bela sem senão” nem tudo são benefícios na utilização das ervas aromáticas e das especiarias que se consomem secas.

As ervas aromáticas devem ser muito bem lavadas em água corrente porque elas próprias podem ser portadoras de agentes patogénicos presentes na água da rega ou do solo.

As especiarias consomem-se secas e devem ser guardadas em frascos bem fechados para não perderem os aromas voláteis, para além de que hidratam favorecendo o crescimento de micróbios que podem conter.

PAUL SHERMAN - Prof. de Biologia da Universidade de Cornel

JUBIABÁ

Episódio Nº 99



Uma vela estava colocada perto da cabeça da defunta e despenhava a sua luz baça sobre o rosto parado, ainda torcido numa expressão de sofrimento. E aqueles olhos parados pareciam olhar fixamente os homens e as mulheres, que agora estavam todos nos bancos e cochichavam.

Uma garrafa de cachaça passou de mão em mão. Bebiam pelo gargalo em grandes tragos. Dois homens saíram para fumar lá fora.

quinha chegou e passou a mão na cabeça de Arminda. Então começaram as orações puxadas pelo Gordo:


                        «Senhor, tomai essa alma»


Os presentes respondiam em coro:


                         «Orai por ela»

António Balduíno levantou os olhos e espiou Arminda. Ela chorava do outro lado da sala. Mas o rosto inchado da defunta impede que ele a veja direito.

Também o negro Filomeno olha para a órfã. António Balduíno bem vê que os olhos do negro estão pousados nos seios de Arminda que sobem e descem com os soluços que lhe sacodem o colo. E António Balduíno teve raiva. Murmura para o vizinho.

 - O miserável do negro nem respeita os mortos…

Mas ele também olha os seios que se movimentam debaixo do vestido. De repente, o negro Filomeno desvia o olhar e espia as pessoas que estão na sala. Ele está com medo, todos estão vendo.

De que será que o negro Filomeno tem medo, pensa António Balduíno? E olha quase risonho o decote do vestido de Arminda.

A luz do fifó bate em cima do começo dos seios. E quer entrar…

Sim, a luz do fifó quer entrar pelos seios de Arminda como uma mão. Lá está ela tentando… António Balduíno segue a cena com os olhos brilhantes.

Afinal parece que a luz conseguiu entrar pelo decote. Naturalmente agora está amassando os seios que sobem e descem. António Balduíno sorri e quase murmura:

 - Conseguiu, a peste…

Mas agora ele também retira o olhar e está tremendo. Pois não é que a morta fixou nele os olhos parados com uma expressão de ódio?

António Balduíno olha o chão, espia as mãos grossas, mas sente que o olhar raivoso da defunta o acompanha. Pensa:

 - Por que o diabo desta velha não toma tento com o peste do Filomeno que quer comer a filha dela?

Se recorda que ele também tem más intenções e foge do olhar da velha. Olha para o Gordo cuja boca se abre e se fecha cantando as rezas dos defuntos.

 Quer ver se pensa numa mosca entrando na boca do Gordo. Mas a morta está olhando para ele e Filomeno está espiando os seios de Arminda.


sexta-feira, agosto 30, 2013

As primeiras explicações são as que ficam na cabeça das criancinhas... e o trabalho que dá depois...

IMAGEM
O mito da serpente e da maçã...



Elvis Presley - Love me Tender (1956)

A vos mais romântica que já se fez ouvir...

A IMPORTANTE 

INFLUÊNCIA

DO 

MEIO SOCIAL


Dois homens discutem por causa de um jogo de bilhar ou porque um insulta a namorada de outro e a animosidade vai subindo até chegar ao assassínio, muitas vezes à vista de quem está perto.

A este tipo de homicídio os criminologistas costumam chamar de “altercação trivial” mas, será?

Para mim foi fácil casar e ter filhos. Tudo o que tive de fazer foi ir para a Universidade e depois garantir um bom emprego.

Eu gostaria de atribuir o meu comportamento de pessoa civilizada ao meu excelente carácter mas, acima de tudo, tenho de estar grato ao extracto social a que pertenço.

No meu caso não me envolveria em luta que me pudesse levar a um homicídio que erradamente seria chamado de “altercação trivial” porque teria muito a perder e pouco a ganhar.

Naquela luta o que estava verdadeiramente em causa era a competição entre indivíduos de sexo masculino pelo “estatuto” que pode ser tudo menos trivial.

Tenho cinquenta e seis anos, ultrapassei a idade média em que morre o homem das zonas deprimidas da cidade de Chicago e ainda estou de boa saúde.

Eu sou como os homens dos bairros sociais de Chicago mais favorecidos com muito menor probabilidade de cometerem homicídios em lutas de “altercação trivial” porque a sua frequência está relacionada com o meio social a que se pertence.

A cidade de Chicago está dividida em setenta e sete bairros para os quais as taxas de homicídio e outros dados estatísticos vitais estão compilados separadamente.

Estes bairros variam imenso quanto a qualidade de vida, incluindo a própria duração média de vida de tal forma que a esperança de vida dos bebés nascidos nos melhores bairros é vinte anos superior à dos nascidos nos piores (cinquenta e tal anos para setenta e tal anos).

Estas mesmas diferenças verificam-se em geral entre países desenvolvidos e em vias de desenvolvimento.

Nos bairros com menor esperança de vida, as mulheres têm tendência a começar a ter filhos mais cedo e esta gravidez na adolescência é amplamente reconhecida como um problema social mas, quando se perguntava às mulheres de um geto porque tinham filhos tão cedo as respostas suscitavam simpatia. Diziam elas que queriam que as suas mães conhecessem os netos.

Usavam o termo de “desgaste” para descrever a deterioração de saúde que observavam à sua volta.

E a pergunta aqui fica:

 - Se o meu amigo e aqueles que lhe são chegados estivessem a desgastar-se a um rito rápido não gostaria de começar a ter filhos suficientemente cedo para os conhecer e ajudá-los a criar os seus próprios filhos?

As taxas de homicídio variam imenso oscilando de 1,3 e 156 por 100.000, entre bairros de pessoas ricas e de pessoas pobres porque nestes o panorama é uns quantos bem sucedidos e muitos falhados e, nestas circunstâncias, um “zé-ninguém” assume comportamentos de riscos extremos na perspectiva de ser “alguém”.

A desvalorização acentuada do futuro pode ser uma resposta “racional” à informação que indica uma probabilidade incerta ou baixa de sobreviver para mais tarde colher benefícios, por exemplo, e correr “riscos impensados” pode ser a solução óptima quando os benefícios de uma escolha de acções mais segura são insignificantes.

A evolução tem intrinsecamente a ver com organismos que reagem a modificações ambientais sendo impossível negar a capacidade de mudança.

O Criacionismo religioso e secular sempre se baseou no medo das consequências de aceitar a evolução, mas se encararmos a teoria da evolução como um instrumento capaz de proporcionar uma modificação positiva, ela será fácil de aceitar.

No que toca à evolução o futuro pode ser diferente do passado, para melhor.

Richard Dawkins


BOA DISPOSIÇÃO


DISTRAÍDO:

É aquele que na hora de se deitar:

- Beija o relógio;

- Dá corda ao gato;

- E enxota a mulher pela janela.



JUBIABÁ

Episódio Nº 98


- Está inchada que nem um boi… Faz até medo…

 - Que doença mais esquisita…

 - Ninguém me tira que aquilo foi espírito ruim…

quinha vinha chegando. Os homens se curvaram de novo sobre as folhas de fumo. Totonha falou com ele e depois avisou:

 - Eu vou ficar com a menina. De noite tem sentinela…

O negro Filomeno segredou para António Balduíno:

 - Quem me dera ser eu. Sozinho com ela, era um Deus nos acuda…

O Gordo bebeu um trago de cachaça porque tinha muito medo de defunto. E, na hora do almoço, ficaram relembrando histórias de defuntos conhecidos, contando casos de doenças e mortes.

O negro Filomeno não falava. Estava com um plano na cabeça. Pensava em Arminda, na frescura da sua carne moça.


Os fifós pareciam andar. A luz vacilante se aproximava da casa de taipa. Não se viam as pessoas. Sòmente aquela luz vermelha que bruxuleava e mudava de lugar como uma alma penada.

Na porta, Totonha recebia as visitas que vinham fazer a sentinela da morte. E distribuía abraços e recebia pêsames como se fosse parente da sinhá Laura.

Estava com os olhos húmidos e narrava os sofrimentos da defunta:

 - Coitada, gritava tanto… Também com aquela doença danada…

 - Aquilo era espírito…

- Deu de inchar, ficou com a barriga estufada…

 - Agora descansou…

Uma mulher se benzeu. O negro Filomeno perguntou:

 - E Arminda?

 - Tá lá dentro chorando… Coitadinha, ficou sem ninguém no mundo…

Ofereceu cachaça que todos tomaram.

No único cómodo da casa dois bancos se alinhavam ao lado de uma parede. Alguns homens e mulheres, de pés descalços e cabeças descobertas, velavam a morta. Do outro lado da sala uma cadeira velha onde Arminda sentada chorava um choro sem lágrimas, intercalado de soluços altos.

Tinha os olhos tapados com um lenço vermelho. Os recém chegados foram até onde ela estava e apertaram-lhe a mão sem que ela se movesse. Não diziam palavra.

E no meio da sala, estendido em cima de uma mesa, que era nos dias comuns cama e mesa de jantar, estava o cadáver, inchado, parecendo querer estourar.

Uma coberta de chitão, de grandes flores amarelas e verdes, cobria o corpo, deixando do lado de fora o rosto enrugado com a boca torcida e os pés enormes e achatados de dedos abertos.


Os homens ao voltar espiavam o rosto da morta e as mulheres se benziam.

quinta-feira, agosto 29, 2013

IMAGEM
Momento importante de tensão...





CONCAVADA

No Largo da Chã-da-Eira, onde dava xutos na bola, está agora um local de convívio. "Coisas" do meu irmão quando, após o 25 de Abril, foi Presidente da Junta de Freguesia.








CONCAVADA - A aldeia dos meus avós. Espaço de Vivos…

 Se sinto agora, quase aos 75 anos, alguma dificuldade em envelhecer devo-o à aldeia dos meus avós… Interno num colégio, passava ali as férias - grandes na liberdade de uma terra onde quase todos eram tios e primos.

Tudo o que então podia fazer a minha felicidade de rapaz ali estava. O Largo da Chã- da- Eira onde dava chutos na bola contra a parede da velha capela, o rio Tejo que passava a meia hora de caminho, nem tanto, local ideal para piqueniques, banhos e pescarias e as longas tardes de verão para conversas amenas ou jogo de cartas…

Há anos voltei à aldeia dos meus avós com o meu sobrinho e de novo percorri todas aquelas ruas, a fonte onde as mulheres iam buscar água para beber , com a bilha à cabeça, pequenos largos, recantos, o local das tabernas, comércio de então, lugares que de tão familiares eu parava para os cumprimentar com o olhar… e eles até parecia que me falavam das pessoas com quem eu, em jovem, por ali me cruzava, cada uma com o seu passo característico nas rotinas próprias da hora do dia.

Para mim, era já uma enorme lista de gente a que o meu sobrinho, ao meu lado, não tinha acesso -  já não eram do tempo dele -  e com as quais, nas minhas mais recuadas memórias, me ia encontrando como se tivessem sido avisadas por alguém da minha visita...

 - “… Enxada às costas, tamancos nos pés, calças arregaçadas, o meu tio Firmino lá vai regar a horta, sempre composto, muito educado, bem apresentado, não fosse ele alfaiate:

- “O Sr. Lopes (o meu pai era António Lopes) arruma à esquerda ou à direita?” -  perguntava-me ele, meio ajoelhado aos meus pés, metro esticado, a tirar as medidas para as calças.

Eu não teria, então, mais que catorze ou quinze anos e o meu tio Firmino foi a primeira pessoa que me tratou por senhor, o que me deixava um pouco encabelado… eu era apenas um rapaz, um menino já crescido, mas o meu tio Firmino era um perfeito cavalheiro, muito educado.


A minha tia, vinha à porta e eu dava-lhe um beijinho como era próprio  da educação das crianças da cidade, e ela perguntava-me:  -  "Como estás?”

Eram pessoas de expressão serena, palavras calmas, de vidas rotineiras, ao sabor e ritmo de uma aldeia da província que há uns anos atrás tinha sido atravessada pela estrada alcatroada que ia para as Beiras, o interior do país, e que na hora da passagem da camioneta da carreira ganhava alguma agitação.

A camioneta parava, exactamente, no Largo da Chã-da-Eira para despejar passageiros, fazer a entrega do saco do Correio e seguir viagem até ao Gavião, uns quinze a vinte quilómetros à frente, no limite do Distrito.

O saco do Correio era deixado na loja da minha prima Clementina responsável pela entrega das cartas e ainda pelo único Telefone que era público.


Era um espaço social que ganhava vida às seis horas da tarde com a chegada da camioneta e dos passageiros.

 As pessoas, à falta do que fazer, encontravam-se ali para ver quem chegava, dar dois dedos de conversa e de coscuvilhice e eu… principalmente, para ver a Bia, moça mais velha, filha do Cabo de Ordens da aldeia, que estudava na Faculdade de Letras em Lisboa, única universitária que havia por aquelas paragens e que não nos passava cartão, a nós, miúdos do liceu…

Mas era difícil fugir ao seu poder de atracção, sempre muito bem arranjada, bonita, lábios pintados rigorosamente de um encarnado vivo que lhe ia a matar com o seu penteado de cabelos negros.

Assuntos arrumados, a camioneta partia e lá ia a Bia, estrada fora, de regresso a casa no seu passo elegante como se desfilasse numa "passerelle" mas melhor, muito melhor, sem artificialismos parvos.

Ela sabia bem que nos deixava a nós, rapazes, de olhar pendurado no seu corpo ondulante até que, finalmente, desaparecia na curva. Voltaria amanhã ou no meu próximo sonho…

Tudo isto são imagens tão fortes na minha memória que embora sendo longínquas no tempo de uma vida, permanecem de tal forma frescas e recentes que eu continuo a ver-me, passados sessenta anos, a passar férias na aldeia dos meus avós…

Por isso, me custa a envelhecer… compreendem?


JUBIABÁ

Episódio Nº 97


As mulheres riem e todas o querem mas ele está com a actriz que conheceu num teatro e que se dependura no braço dele de uma maneira que roça os seios no seu peito.

Agora vão cear num restaurante chique, de mulheres decotadas, onde bebem vinhos caros. Ele já beijou repetidas vezes a mulher que, sem dúvida, o ama, pois consente que ele lhe machuque os seios e suspenda por baixo da mesa o seu vestido de seda.

Mas agora ela está novamente no quadro, com o leque em cima do sexo, porque o girau está balançando muito e António Balduíno de moveu na sua cama de tábuas, no outro lado da sala.

Ricardo espera com raiva que tudo fique calmo de novo. Puxa a coberta esburacada até ao queixo. Volta com a mulher do restaurante para, logo depois, tomarem um carro e se deixarem ficar num quarto onde há cama e perfumes.

Ele a despe devagarinho gozando os seus encantos um a um. Pouco lhe importa agora que o girau ranja e que António Balduíno se mova. Não, não é a sua mão calosa que ele tem em cima do sexo.

É o sexo alvo da actriz loira, que não está com vestido nem com leque e que ama Ricardo, trabalhador das plantações de fumo. Acorde quem quiser que ele não está fazendo nada de mais, está amando uma mulher bonita, de seios duros e ventre redondo. A sua mão é uma mulher.

A actriz voltou ao quadro, o sexo tapado com o leque. Na estrada brilha a luz de um fifó que ilumina as plantações de fumo. Ricardo deita a cabeça sobre as tábuas do girau e dorme.


Num domingo Ricardo disse que ia pescar nas águas do rio. Tinha comprado uma bomba e com ela esperava matar muito peixe.

Convidou os outros. Somente o Gordo se resolveu a ir. Conversaram o caminho todo. Na margem do rio ele tirou a camisa. O Gordo se deitou na relva.

As plantações de tabaco se estendiam lá atrás. Passava um trem. Ricardo preparou a bomba e acendeu a mecha. Sorria. Estendeu as mãos para a frente, mas antes que jogasse a bomba ela estourou levando-lhe as mãos e os braços, encharcando o rio de sangue.

Ricardo olhou os cotos dos braços e era como se houvesse se suicidado.


SENTINELA

Arminda, a filha de sinhá Laura, que ao terminar os trabalhos corria pelos campos a sua meninice de doze anos, não corre mais e trabalha com o rosto angustiado. Até uma vez pediu licença a Zéquinha para ir a casa.

É que há uma semana, sinhá Laura está estendida em cima de uma cama, inchando com uma doença desconhecida. Antes Arminda era alegre e tomava banho no rio, nadando como um peixe, excitando os homens com o seu corpo de menina. Agora apenas trabalha porque senão trabalhar morre de fome.

Na terça-feira nem no trabalho apareceu. Totonha que veio da casa da doente, avisou:

 - A velha esticou as canelas…

Os homens pararam o trabalho por um minuto. Um disse:


 - Já estava na idade…

quarta-feira, agosto 28, 2013

IMAGEM

Nem um bago de arroz se pode desperdiçar...


ELIS REGINA - FASCINAÇÃO

É realmente uma fascinação que atravessa o tempo desde 1978...

Um homem conheceu uma mulher e decidiu casar-se com ela.

Ela disse:

 - Mas não sabemos nada um do outro!

Ele respondeu:

 - Não há problema, nós nos conheceremos com o tempo…

Ela concordou.

Casaram-se e foram passar a lua – de – mel num luxuoso resort.

Certa manhã, estavam ambos recostados junto à piscina quando ele se levantou, subiu no trampolim de 10 metros e realizou uma demonstração de todos os saltos e voltou para junto da esposa.

Ela disse:

 - Isso foi incrível!

 - Fui campeão olímpico de saltos ornamentais. Eu te disse que nos conheceríamos com o tempo – respondeu ele.

Nisto, ela levantou-se, entrou na piscina e fez mais de 30 voltas, saíu da água e sentou-se junto marido sem demonstrar cansaço.

Ele disse:

 - Estou surpreso! Foste nadadora olímpica?


 - Não, explicou… fui puta em Veneza e atendia ao domicílio.

JUBIABÁ

Episódio Nº 96


Pareciam pessoas que oravam. E aquele trabalho dava uma dor nas costas, dor fina e prolongada que ficava pela noite adentro, magoando.

quinha passava olhando o serviço, dando ordens, brigando. Montes de folhas de fumo se juntavam e, quando a tarde vinha, as mãos dos homens haviam ganho dez tostões que eles não viam, porque já deviam ao patrão quantias desconhecidas.

Com as mãos calosas e feias acenavam adeuses aos trens que passavam apitando.



Na casa de taipa moravam quatro: Ricardo, o negro. Filomeno, António Balduíno e o Gordo. Filomeno só falava em tiros e mortos, isso quando falava, porque geralmente estava calado, ouvindo.

Ricardo tinha em cima das tábuas em que dormia, colado na parede, o retrato de uma actriz de cinema toda nua com um leque apenas cobrindo o sexo.

Havia pregado o retrato na parede com muito cuidado, retrato que dera o filho do patrão, há uns três anos, quando viera à fazenda. E colocava o fifó de tal jeito que a luz vermelha dava bem em cima da actriz que aparecia nua como um convite.

O gordo tinha um santo em cima da cama, santo que trocara por quinhentos réis nas festas do Bonfim. António Balduíno juntava nos pés do girau - espécie rudimentar de cama – a figa que Jubiabá lhe dera e os punhais que trazia no cinto. O negro Filomeno não tinha nada.

Vinham para o terreiro após o jantar e eles que não tinham cinema, nem teatro, nem cabarés, tocavam violão e cantavam ao desafio.

As mãos brutas dos homens negros tiravam das cordas sonoridades que enchiam de alegria e de tristeza os camponeses todos das plantações de fumo.

Cantavam cantigas tristes, sambas alegres, e no desafio Ricardo era perito. As suas mãos corriam pelas cordas do violão e não eram mais aquelas mãos calosas da enxada e da terra.

Eram mãos de artistas, rápidas e certas, que levavam ao coração dos homens a história de amores e lutas. As mãos que antes davam o pão, davam agora a alegria na terra sem mulheres.

Os violões repenicavam noite afora e era o cinema, o teatro, o cabaré. As mãos rápidas corriam pelas cordas e a música se espalhava entre as plantações de fumo que, à luz da lua, apresentavam aspectos estranhos.

Quando o silêncio baixava sobre tudo, quando não se ouvia mais o som das violas e os homens já estavam estirados nos giraus, o fifó apagado, Ricardo olhava o retrato da actriz nua com um leque cobrindo o sexo.

Estava com os olhos fitos nela e eis que ela se move. Porém agora está vestida e eles não estão mais nas plantações de fumo. Estão na grande cidade, numa cidade que Ricardo nunca viu, cidade iluminada, cheia de automóveis e de avenidas, maior que cachoeira e São Félix reunidas.


Deve ser a Baía e talvez seja até o Rio de Janeiro. Passam mulheres loiras, mulheres morenas e toas sorriem para Ricardo que está elegante, vestido de casimira, com uns sapatos vermelhos como os que ele vira numa loja em Sant’Ana.

terça-feira, agosto 27, 2013

IMAGEM

Talvez seja coincidência: os meninos que fazem de pobrezinhos são para o "escurinho" e o que faz de rico é para o "loirinho"...



Roberta Flack - Killing Me Sotly   (1973)

Quarenta anos nos separam desta "preciosidade"...

O Pikaia, não mais de 5 cm de tamanho...

A História do 

Pikaia


Era uma vez um pequeno animal ao qual viríamos a pôr, 500 milhões de anos mais tarde, o nome de Pikaia. Não era grande, cerca de 5 centímetros de tamanho, e tão poucas probabilidades de sobreviver que bem se pode afirmar, não fosse por uma inesperada fortuna, ele teria ficado para sempre esquecido lá nos mares do Câmbrico e nós… bem… nós não estaríamos cá e tudo quanto é vida à superfície da terra teria sido diferente.

Claro que o Pikaia já não existe mas à sua época e contra todas as probabilidades ele ganhou a sua guerra entre presas e predadores e fez vingar o seu modelo anatómico, o primeiro, que iria servir de base evolutiva a tudo quanto foram peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos. Notável, não é?

É que o Pikaia tinha a particularidade de possuir, como originalidade, uma espécie de cérebro e de espinha dorsal, ou melhor, uma corda nervosa ao longo do resto do corpo e assim, alguém que queira procurar o seu mais remoto antepassado, vai encontrar O Pikaia.

Apareceu no período Câmbrico, quando houve uma explosão de vida nos mares então existentes que de há muito eram apenas habitados por esponjas, organismos semelhantes a flores sem capacidade para se moverem nem fazer coisas que associamos a animais. Mesmo assim, foi a partir delas que se deu uma revolução genética pois inventaram tipos de células que interagiam, comunicavam e cooperavam entre si constituindo-se em organismos pluricelulares que tinham a capacidade revolucionária do movimento.

Foi quando apareceram em cena os Cnidários. Tinha começado a guerra, a paz das esponjas terminara. Daí para a frente, a evolução consistiu no desenvolvimento de esquemas de ataque e defesa ou seja, a procura, por parte de uns, de vantagens para não serem comidos, e de outros a vantagem de os comerem.

Esta guerra foi factor para a explosão de vida então registada, permitida, muito provavelmente, pelo aumento dos níveis de oxigénio no planeta mas, de qualquer maneira, a conclusão a retirar da leitura do Livro da Terra feita por Geólogos, Paleontólogos, Arqueólogos e especialistas afins, é a de que a Vida está ligada à guerra e não à paz. Com a paz das esponjas não se foi a lado nenhum durante centenas de milhões de anos.

As variações do modelo anatómico herdado do Pikaia, 35 ao todo, foi tudo quanto aconteceu ao longo dos últimos 500 milhões de anos ao longo dos quais milhões de espécies existiram e desapareceram até chegarmos às actuais.

Está tudo escrito nas pedras, uma história real, verídica, a dos herdeiros do Pikaia.

O ALEIJADINHO



Num circo, durante a apresentação , um leão escapou da jaula e foi para cima do público.As pessoas começaram a correr de um lado para o outro, enquanto um aleijadinho, numa cadeira de rodas, se esforçava para sair dali.

Alguns, ao verem o pobre deficiente, gritavam para que alguém lhe acudisse:


- Olha o aleijado!!! Olha o aleijado!!


E o aleijado girava cada vez mais rapidamente na sua cadeira.


- Olha o aleijado!!! Olha o aleijado!!!

E o aleijado, sem aguentar mais gritou:


- VÃO-SE TODOS LIXAR, SEUS FILHOS DA PUTA!!! DEIXEM O LEÃO ESCOLHER SOZINHO, PORRA!!!

JUBIABÁ

Episódio Nº 95

Negro dava em cima que nem urubu em carniça… Mas tudo tinha medo do velho João que era feroz. Ele tinha dito que negro que roubasse a filha dele tava morto.

Mas, homem, eu não via cheiro de mulher fazia dois ano… Disse que morrer era besteira, que a gente só morre quando chega o tempo. Numa noite tava um chuvisquinho, eu chamei a Celeste para conversar.

O velho tava dentro da casa limpando a repetição. Ainda falou comigo se rindo… Eu não tinha tido ainda medo, tive naquela hora… Mas Celeste já vinha, eu não pude mais. Ali mesmo nuns mato que tinha perto derrubei a bicha…

Os homens estavam com os olhos baixos. António Balduíno riscava o chão com o punhal. Ricardo batia as mãos uma na outra, impaciente… O velho continuou:

 - Fazia dois ano que eu não sabia o que era mulher…

Ela ficou com o vestido todo rasgado… Eu fugi para esse mato de Deus, esperando o velho para me matar.

 - E depois?

 - No outro dia tomei coragem, fui lá falar com o velho João… Ele tava limpando a repetição e quando me viu encostou a bicha no chão. Eu sabia que ele me matava, mas eu queria andar com a Celeste de novo…

Peguei e disse a ele tudo. Falei que queria casar, que era um homem direito e  trabalhador.  Aí o velho fechou a cara, eu pensei, eu pensei que tinha chegado a minha hora.

Mas ele não fez nada, só que disse: «Isso tinha que acontecer… Aqui não tem mulher e homem precisa de mulher. Leve ela pra sua casa mas se case com ela».

Eu fiquei sem acreditar e João disse ainda: - «gostei de você vir contar tudo. Homem faz é assim». Depois chamou a Celeste e mandou que ela fosse comigo. E ficou limpando a repetição. Mas quando eu saí eu juro que ele tava chorando…

Os homens ficaram calados. O vento balançava os pés de tabaco, as folhas largas lembravam sexos estranhos de mulheres. Ricardo engoliu em seco e disse:

- Não sei como a gente pode trabalhar sem ter mulher…

Aqui só tem essas duas casadas…

- E a filha de sinhá Laura?

 - Eu casava com ela, se ela quisesse… - disse Ricardo.

António Balduíno enfiou o punhal na terra. Um negro alto afirmou:

 - Um dia eu chamo ela aos peitos, ela deixe ou não deixe…

- Mas é uma menina de doze anos – se espantou o Gordo.


Os montes atrás cobertos de neblina. A estrada de ferro que passava longe. De vez enquanto um trem que apitava com mulheres que davam adeus nas portinholas. A estrada onde os homens passavam levando sacos de frutas para as feiras, conduzindo burros carregados, levando bois para vender em Feira de Sant’Ana.

Ora seguravam sacos enormes com as mãos calosas, ora tangiam os burros ou conduziam os bois. Passavam boiadas, os vaqueiros cantando tristemente:

 - Ouuuuuu booiiii…


E as mãos que se baixavam para a terra, mãos grandes e calosas que colhiam as folhas cheirosas do tabaco. As mãos se baixavam e se levantavam num certo ritmo sempre igual.  

segunda-feira, agosto 26, 2013

Tributo merecido...

MARIONNETTE  INCROYABLE

IMAGEM

Parece que está tudo bem com o cahorrito... ele não tem razão para estar com aquele ar de preocupado... 


JUCA CHAVES - A CÚMPLICE

O humorista costumava contar a seguinte história sobre o Sdruws, perto do qual ficava uma favela. Juca convidara para o circo, políticos, empresários e também pessoal da alta-sociedade carioca, e antes da primeira apresentação resolveu reunir os líderes da favela para lhes falar com franqueza, indo directo ao assunto:
 - "Vim aqui para saber como vai ficar o negócio do roubo!"
 - Uma mulher baixinha, morena, (líder da favela), foi logo respondendo com firmeza:  - - "Olha aqui seu Juca, nós entendemos a sua preocupação e lhe agradecemos pela sinceridade, mas pode o senhor ficar tranquilo, porque a nossa comunidade já se garantiu, e pediu protecção à polícia! "

Nota - As duas crianças que aparecem numa fotografia do vídeo, são filhos adoptados.

Bento XVI
O PAPA E A EUTANÁSIA


Eluano Englano, vivia em coma vegetativo desde 1992 quando foi vítima de um acidente e finalmente, após 16 anos em que o pai lutou nos Tribunais para que a sua filha fosse autorizada a morrer, a Suprema Corte de Itália autorizou a eutanásia, negando recurso para a sentença que permitiu ao pai não mais alimentar a filha.

Terminaram dezasseis anos durante os quais o pai, Beppino Englano, carregou a morte da filha que durante todos aqueles anos sobreviveu à própria morte.

Caritativamente, a Igreja Católica, comprovando todo o seu sadismo impôs-lhe essa tortura. Se lhe concedessem esse poder crucificaria, de uma forma ou de outra, todos os seres humanos… desabafou o Sr. Beppino. De vez em quando perde, graças a Deus...

O Papa Bento XVI então, durante a sua tradicional reza do Angelus dominical que a eutanásia é “uma falsa solução para o sofrimento, imprópria do ser humano” e que a verdadeira resposta perante a dor deve ser o amor”.

É difícil conceber maior cinismo e hipocrisia… e agora vem uma das grandes falácias: - “Jesus morreu na cruz por amor. Desta forma ele deu sentido ao nosso sofrimento…” e a ele, sofrimento, condenou toda a humanidade.

“Foi Deus que nos deu a vida e, portanto, só ele a pode tirar…”

Com base nesta lógica infalível, tanta desumanidade por parte deste Deus só tem uma explicação:

- Ele foi concebido à imagem e semelhança de homens que não eram  nem bons nem caritativos, mas inteligentes e grandes estrategas do poder.

Deixem que vos diga exactamente aquilo que penso pela boca de Steven Weinberg, com o peso que lhe advém de ser um físico norte-americano galardoado com o Prémio Nobel:

“A religião é um insulto à dignidade humana. Com ou sem ela, haveria sempre gente boa a fazer o bem e gente má a fazer o mal. Mas é preciso a religião para pôr gente boa a fazer o mal”


Blaise Pascal disse algo semelhante: - “Os homens nunca fazem o mal tão completa e alegremente como quando o fazem por convicção religiosa.”

 E se nos recordarmos de tudo quanto foram e continuam a ser as “guerras santas”,  que ainda hoje colocam alguns países do norte de África a ferro e fogo, porque uns são xiitas, outros sunitas e outros ainda nem uma coisa nem outra..., esta afirmação corresponde completamente à verdade.

Site Meter