sexta-feira, março 17, 2017

Resultado de imagem para os novos dez mandamentos
Os Novos

Dez 

Mandamentos











A nossa moralidade não se fundamenta nos livros sagrados, a verdade é que existe um consenso muito alargado do que está certo e está errado e que não tem uma ligação óbvia com a religião.


A maior parte de nós não inflige sofrimentos desnecessários, acredita na liberdade de expressão e protege-a mesmo quando discorda do que é dito, paga os seus impostos, não engana, mão mata, não comete incesto, não faz aos outros o que não gostaria que lhe fizessem.

Alguns destes bons princípios constam dos livros sagrados mas sepultados ao lado de outros que nenhuma pessoa decente desejaria seguir com a agravante de que os livros sagrados não facultam regras com base nas quais possamos distinguir os bons dos maus princípios.

Uma forma de exprimir a nossa ética consensual pode ser através de Dez Mandamentos, não só dos Dez Mandamentos do Antigo Testamento, ou os do Novo Testamento, mas também de Novos Dez Mandamentos, da actualidade, não esquecendo que, de acordo com “o espírito do tempo”, eles reflectirão sempre o nível do avanço intelectual e cultural do mundo na sua época, como ficou dito no meu texto anterior.

Mas, para que melhor se possam avaliar as diferenças entre os Novos Dez Mandamentos, que não são da autoria de nenhum sábio, nem de um profeta ou de um eticista profissional, mas tão só de um comum utilizador da web que mais não fez do que resumir, hoje, os princípios consensuais da nossa vida, e compará-los com os Dez Mandamentos bíblicos, enunciaremos estes em primeiro lugar e de seguida os Dez Mandamentos da Igreja Católica antes de passarmos aos Novos Dez Mandamentos:

Antigo Testamento


1º Eu sou o Senhor teu Deus que te tirei da terra do Egipto, da casa da servidão. Não terás outros deuses diante de mim.

2º Não farás para ti imagem de escultura nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra; nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a eles nem os servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso que visito a maldade dos pais nos filhos até à 3ª e 4ª geração daqueles que me aborrecem, e faço misericórdia em milhares aos que me amam e guardam os meus mandamentos.

3º Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão.

4º Lembra-te do dia de sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra. Mas o 7º dia é o sábado do Senhor teu Deus; não farás nenhuma obra, nem tu, nem o teu filho, nem a tua filha, nem o teu servo, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro que está dentro das tuas portas. Porque em seis dias fez o Senhor os céus, a terra e o mar e tudo o que neles há, e ao 7º dia descansou; portanto abençoou o Senhor o dia de sábado, e o santificou.

5º Honra o teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá.

6º Não matarás.

7º Não adulterarás.

8º Não furtarás.

9º Não dirás falsos testemunhos contra o teu próximo.

10º Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.

Dez Mandamentos do Catolicismo que muitos de nós aprendemos ainda na infância, nas aulas da catequese:


1º Amar a Deus sobre todas as coisas.

2º Não invocar o nome de Deus em vão.


3º Guardar Domingos e Festas de Guarda.

4º Honrar pai e mãe.

5º Não matar.

6º Não pecar contra a castidade.

7º Não roubar.

8º Não levantar falsos testemunhos.

9º Não desejar a mulher do próximo.

10º Não cobiçar as coisas alheias.


Cerca de 1500 anos separam estas duas listas de Dez Mandamentos e percebe-se que o “espírito do tempo” que ambas reflectem pouco ou nada difere, talvez menos do que na realidade dado o carácter conservador dos textos religiosos.

Tanto numa como na outra a permanente preocupação de manter os crentes obedientes e tementes ao Senhor que Ele, sim, é a verdadeira razão justificativa dos próprios Mandamentos.

De forma paternalista, autoritária, ameaçadora, o objectivo é manter o grupo unido, coeso, obediente e servil em torno de um Chefe que é o Senhor mas que, na prática, são os dignitários da Igreja, sendo que a crença, a tal necessidade genética de acreditar (nos nossos pais, nos chefes, nas pessoas mais velhas) que nos primórdios da humanidade foi factor de sobrevivência, constitui o íman que atrai as pessoas para as religiões da mesma forma e pela mesma razão que leva a borboleta da traça ao voou suicida contra a chama da vela. (ver neste blog o texto As Raízes da Religião de 7 de Maio).

Chegados a este ponto, Dawkins, através de um motor de busca da Internet encontrou por acaso, numa página ateia, os seguintes Novos Dez Mandamentos em paralelo com muitos outras listas que aí se podem encontrar.

Novos Dez Mandamentos (da autoria de pessoas assumidamente não crentes):


1º Não faças aos outros aquilo que não quiseres que te façam a ti.

2º Em tudo, esforça-te por não fazeres o mal.

3º Trata os teus semelhantes, os seres vivos e o mundo em geral com amor, honestidade, lealdade e respeito.

4º Não ignores o mal nem te retraias de aplicar a justiça mas está sempre pronto a perdoar a injustiça reconhecida livremente e lamentada honestamente.

5º Vive a vida com alegria e admiração.

6º Procura sempre aprender algo de novo.

7º Testa todas as coisas; confronta as tuas ideias com os factos e está pronto a pôr de parte mesmo uma crença acalentada se ela não estiver em conformidade com eles.

8º Nunca procures censurar-te ou abster-te das divergências; respeita sempre o direito dos outros a discordarem de ti.

9º Forma opiniões independentes com base na tua própria razão e experiência; não te permitas ser levado cegamente pelos outros.

10º Interroga-te sobre tudo.


O filósofo John Rawls poderia incluir nesta lista algo deste género:

- Imagina sempre as tuas regras como se não soubesses se vais estar no topo ou na base da hierarquia.

O povo Inuit segue uma regra para repartir a comida que também poderia fazer parte da lista:

- Quem reparte fica sempre com o último bocado.

Ritchard Dawkins gostaria também de incluir numa lista destas e da sua própria autoria, os seguintes Mandamentos:

- Desfruta da tua vida sexual (desde que não prejudique ninguém) e deixa que os outros desfrutem da sua em privado, quaisquer que sejam as suas tendências, que não são da tua conta.

- Não discrimines nem oprimas em função do sexo, da raça ou, na medida do possível, da espécie.

- Não inculques ideias à força nos teus filhos. Ensina-os a pensarem por si, a ajuizarem das provas e a discordarem de ti.

- Valoriza o futuro em função de uma escala de tempo maior do que aquele que tu tens.


Três mil e quinhentos anos após os velhos Mandamentos bíblicos surge-nos hoje, da autoria de pessoas não religiosas, outros Mandamentos que revelam um mundo novo, diferente e, quanto a mim, incomparavelmente melhor.

Que cada um de nós os julgue e os faça seus, se quiser, de acordo com a sua própria razão, entendimento e sensibilidade. 

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

Site Meter